Aftosa: Paraná poderá interromper vacinação antes do tempo

O Paraná deve antecipar para maio do ano que vem a retirada da vacinação contra a febre aftosa se resolver pequenas inconformidades, disse nesta sexta-feira, dia 5, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Entre as inconformidades verificadas, está a necessidade de melhorias em postos fiscais. Inicialmente, o estado deixaria de vacinar o rebanho apenas em 2021. Em nota, o diretor do Departamento de Saúde Animal (DSA) do ministério, Guilherme Marques, afirmou que enviará a autoridades paranaenses, ainda neste mês, o relatório das inconformidades encontradas em duas auditorias realizadas ao longo deste ano. Elas deverão informar quando resolverão as pendências.

Caso o ministério aceite as correções providenciadas, o estado será autorizado a começar a retirada da vacinação, em sete meses, juntamente com o Acre, Rondônia, parte do Amazonas e de Mato Grosso, regiões que fazem parte do chamado bloco 1 do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA).

Atualmente, o Paraná, que tem rebanho de 9,5 milhões de bovinos, faz parte do bloco 5 do PNEFA, cuja retirada da vacina está prevista para 2021.

0 COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta