Mapas das áreas de risco são entregues aos municípios de Santa Catarina

(Foto: Thobias Leôncio Rotta Furlanetti/SPG).
(Foto: Thobias Leôncio Rotta Furlanetti/SPG).

Santa Catarina passa a contar com uma nova ferramenta de prevenção contra desastres naturais. A entrega dos Mapas de Setorização de Riscos aos municípios catarinenses foi realizada nesta terça-feira, 5, em Florianópolis. Com coordenação da Defesa Civil e da Secretaria de Estado do Planejamento (SPG), o trabalho foi desenvolvido nos últimos seis meses por técnicos da Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM) e resultou na identificação das áreas suscetíveis à inundação e à movimentação de massa.

O evento, que reuniu representantes de diferentes cidades no Centro Integrado de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cigerd) da Capital, contou com a presença do secretário da Defesa Civil, Rodrigo Moratelli, e do procurador-geral adjunto para Assuntos Administrativos da PGE, Francisco José Guardini Nogueira. O Mapa de Setorização é apenas a primeira parte do diagnóstico de risco a ser desenvolvido no Estado. O convênio entre Governo de SC e CPRM conta com investimento de R$ 4,7 milhões e ainda compreende a elaboração e a entrega de cartas de suscetibilidade, mapeamento de Perigo e Risco baseado na metodologia desenvolvida com o governo japonês no Projeto Gides (Projeto de Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada de Riscos e Desastres) e modelagem de suscetibilidade.

“A ideia é que o projeto atenda demandas que vão além da Defesa Civil do Estado, com o uso pelo municípios e outras áreas de planejamento e gestão territorial”, disse o engenheiro cartográfico da SPG, Thobias Leôncio Rotta Furlanetti.

Pela primeira vez no Brasil, serão aplicados os aspectos metodológicos preconizados no manual de mapeamento do Projeto Gides em municípios-pilotos: Braço de Norte, Santo Amaro da Imperatriz, Guaramirim, Rio do Sul e Herval d’Oeste. Estas cidades têm características geológicas distintas e representam diferentes regiões de SC.

O objetivo geral do mapeamento em todo o Estado é criar uma base de dados com informações precisas para prevenção de desastres. Assim, Santa Catarina será o primeiro Estado brasileiro com diagnóstico completo sobre as áreas suscetíveis a desastres naturais, como deslizamentos, quedas de blocos e inundações e das áreas de risco alto e muito alto.

A identificação dos riscos geológicos e hidrológicos, especialmente em áreas habitadas, permitirá a ação preventiva, que pode ocorrer por meio da incorporação das informações nos planos diretores evitando ocupações irregulares, bem como a possibilidade, em áreas de risco já habitadas, de emitir alertas mais precisos, protegendo a vida da população.

Serviços realizados durante o mapeamento

– Setorização de risco geológico alto e muito alto frente a movimentos de massa e eventos destrutivos  da natureza geológica, em nível muito alto e alto, para 185 municípios;

– Elaboração de pré-cartas de suscetibilidade a movimentos gravitacionais de massa e eventos de natureza hidrológica (enchentes, inundação e enxurrada, em 238 municípios;

– Mapeamento de perigo de acordo com a metodologia do Projeto Gides para 5 municípios-pilotos (Braço de Norte, Santo Amaro da Imperatriz, Guaramirim, Rio do Sul e Herval do Oeste);

– Elaboração de cartas finais de suscetibilidade a movimentos gravitacionais de massa e eventos de natureza hidrológica (enchente, inundação e enxurrada) para 40 municípios.

0 COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta