Trânsito vai mudar para aliviar fluxo na avenida Manoel Ribas

Uvtran prepara mudanças em União da Vitória. Entre as medidas, inversão de mão de rua coletora será testada neste sábado

trXXnsitoConsiderada uma via estreita, a principal avenida de União da Vitória, que liga a Ponte dos Arcos à rua Matos Costa, em Porto União, concentra uma grande movimentação de carros, motocicletas, pedestres e até caminhões.

O resultado na Avenida Manoel Ribas, então, é o congestionamento constante, principalmente em horários de pico e nos sábados pela manhã. Pensando nesse gargalo, a Secretaria de Trânsito (Uvtran) de União da Vitória está promovendo mudanças para melhorar a trafegabilidade na avenida.

Para tanto, pelo menos duas medidas devem impactar a vida de quem passa diariamente pela Avenida Manoel Ribas. A primeira delas já está sendo executada em caráter permanente.

A Uvtran retirou, a pedido da Polícia Militar (27º BPM), todos os estacionamentos exclusivos para motocicletas da avenida e colocou nas vias coletoras. É o caso do estacionamento da Rua Dr. Cruz Machado, esquina com a Manoel Ribas. Ele foi tirado da avenida de frente da Lojas Americanas e recolocado na Dr. Cruz Machado, em frente à Loja Hering.

De acordo com o gestor da pasta do trânsito, Augusto Muck (foto abaixo), a medida vai suavizar o trânsito. “Para estacionar a motocicleta, o condutor precisava ir até o meio da rua e voltar para estacionar de ré, e constantes acidentes ou lentidão no trânsito aconteciam nesses pontos. Com o estacionamento nas adjacências, fora da avenida, o problema foi resolvido”, explica. Muck lembrou que esses locais não ficam a mais de 20 metros de seus locais originais. Para os motociclistas melhora a segurança. Eles correm menos riscos de colisões ou atropelamentos quando precisam estacionar.

Inversão de mão

MUCKX02O secretário explicou que vai realizar uma inversão experimental na Rua Barão do Rio Branco, no trecho em que a via se encontra com a Avenida Manoel Ribas. “Em vez do trecho dar para a avenida, a intenção é que o condutor tenha uma via de escape para sair da avenida. Assim, nós esperamos que os motoristas possam acessar a Professora Amazília, Benjamin Cosntant, D. Pedro II, Rua Paraná, bairro São Bernardo, a partir do Hotel Riad”, detalha. “Se der certo fica, se não der, retorna ao sistema antigo”, completa.

As próximas ruas que podem ser usadas pelos condutores para sair da Avenida, são a Dr. Cruz Machado e a Carlos Cavalcante, mas por serem estreitas e semáforos nas próximas esquinas, também registram trânsito lento. Com a opção de descer antes, pela Barão do Rio Branco, a Uvtran espera desafogar, pelo menos minimizar, o tráfego antes que ele se acumule no semáforo do cruzamento com a Cruz Machado.

A prefeitura disse que já melhorou o trânsito depois do Clube Apolo com a retirada da canaleta e do quiosque do Cafezinho que existia entre as ruas professor Cleto e Carlos Cavalcante. O gestor de trânsito disse, porém, que não há ilusão. “Culturalmente, todo mundo usa a Manoel Ribas ao mesmo tempo, os motoristas não têm o hábito de procurar ruas mais tranquilas”, sentencia.

A cara do Jaime Lerner

avenidaPerguntado sobre a demora na nova sinalização luminosa da principal avenida, com a implantação dos novos semáforos e utilização dos atuais em outros pontos considerados de conflito de trânsito, Muck disse que a revitalização vai continuar e citou a contratação do escritório do arquiteto e urbanista Jaime Lerner, que vai propor um novo olhar para solucionar questões históricas do nosso trânsito. “Leva tempo para licitar, receber os estudos, discutir e aprovar mudanças, mas os semáforos serão implantados e os outros reaproveitados, mas o projeto é grande e prevê mudanças e adequações em quase todo o trânsito do anel central e ruas paralelas”, contou o secretário.

A implantação do projeto que tem por definição de “Plano Diretor do Trânsito”, quer definir regras e preceitos para os próximos 30 anos em União da Vitória. O projeto vai levar em conta a projeção de crescimento. Para se ter uma ideia, em fevereiro de 2018, a frota de União da Vitória contava com 25.289 veículos. Só de carros o município conta com 19 mil unidades, 4,7 mil motocicletas e 1,5 mil caminhões.

Se contar com os 16, 8 mil veículos de Porto União, chegamos a impressionantes 42 mil veículos. A situação fica ainda mais preocupante se as autoridades de trânsito levarem em conta a frota flutuante de veículos, ou seja, o número de carros, motocicletas e caminhões que passam pelo município. O desafio é grande para engenheiros, urbanistas e arquitetos, mas segundo Muck, não dá para ter receio de mudar. “É preciso tentar”, completou.

Foto: Mariana Honesko/O Comércio

0 COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta