Milho no Monjolo

Odilon Muncinelli

Milho no Monjolo – 10 de Dezembro de 2016

LUTO 1

O escritor, poeta, ensaísta, crítico de arte, tradutor, biógrafo, dramaturgo, teatrólogo, letrista, roteirista e colunista do jornal Folha de S. Paulo Ferreira Gullar morreu na manhã deste domingo (dia 04), no Rio de Janeiro, aos 86 anos de idade, em decorrência de insuficiência respiratória e pneumonia. Ele estava internado no Hospital Copa D’Or, na Zona Sul do Rio. Ferreira Gullar era o quarto dos 11 filhos de Newton Ferreira e Alzira Ribeiro Goulart. Ele nasceu em São Luís, Maranhão, em 10 de setembro de 1930, com o nome de José Ribamar Ferreira. O sobrenome materno adaptado ao português foi adotado somente pelo escritor aos 18 anos, quando começou a publicar poesias. Ativo, Ferreira Gullar se afiliou ao Partido Comunista após a instauração da ditadura militar, em 1964. Neste período, se exilou em Buenos Aires, onde escreveu “Poema Sujo”, uma das suas principais obras. O escritor voltou ao Brasil somente em 1977 sendo preso e torturado pelo Departamento de Ordem Política e Social – DOPS.  Ferreira Gullar foi libertado dias depois, após forte pressão internacional. Em 2002, Ferreira Gular foi indicado para o Prêmio Nobel de Literatura. A indicação foi endossada por nove especialistas de três países: Brasil, Portugal e Estados Unidos da América. Era membro da Academia Brasileira de Letras (ABL), como ocupante da cadeira 37, na qual foi empossado no dia 05 de dezembro de 2014.

LUTO 2

Ao longo da sua vida Ferreira Gular escreveu poesias, contos, crônicas, memórias, ensaios, antologias, letras para músicas, peças teatrais, textos para televisão e cinema, roteiros e outros textos. Seu primeiro livro foi “Um Pouco Acima do Chão” (1949, poesias) e o último foi “Autobiografia Poética e Outros Textos” (2016), enfeixando uma vasta obra literária e artística.

“MOMENTO DA EDUCAÇÃO”

“A Uniguaçufaz o assunto do programa “Momento da Educação”, que será apresentado pelo professor Aluízio Witiuk, no próximo domingo, dia 11, às 11 horas, nos microfones da Rádio Difusora União, a antiga ZYD-3, “a Pioneira do Vale”. Diretamente do “Pé do Morro da Cruz” para a Coluna “Milho no Monjolo“, o amigo e apresentador informa que a entrevistada será a professora Marta Borges Maia, mui digna Diretora Geral em exercício das Faculdades Integradas do Vale do Iguaçu (Uniguaçu), que falará sobre aquela conceituada Instituição de Ensino Superior, sediada em União da Vitória, Paraná. Observação: Neste mesmo domingo, dia 11, às 15 horas, a professora Marta Borges Maia poderá ser assistida e ouvida, em entrevista sobre o mesmo assunto, no Programa “Caminho da Universidade”, que é produzido e apresentado pelo professor Aluízio Witiuk, na TV Mill, a TV de União da Vitória, Paraná.

A ÚLTIMA

A Coluna de hoje é dedicada aos meus netos Pietro Bussmayer Muncinelli pela conclusão da Educação Infantil, Enzo Luigi Muncinelli pela conclusão do Ensino Fundamental, ambos no Colégio São José (Porto União, SC) e Cicero Domenico Muncineli pela conquista da Medalha de Bronze, representando o Colégio Santo Anjo (Curitiba, PR),na Olímpiada de Matemática, realizada no Estado do Paraná.

Beira do Iguaçu, Dezembro de 2.016

Odilon Muncinelli é Membro da ALVI e do IHGPr

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *