Milho no Monjolo

Odilon Muncinelli

Milho no Monjolo – 16 de Novembro de 2018

ANOTANDO A HISTÓRIA 

À Beira do Iguaçu, à margem esquerda, o Monumento ao Tropeiro foi criado para o Centenário de União da Vitória. Uma fotografia mostra a História, mostra a travessia de uma tropa. “(…). O vau do Iguaçu marca o nascimento de União da Vitória e, posteriormente, das Cidades Irmãs. Trata-se de uma passagem por dentro do Rio Iguaçu que garantia, na época do nascimento da cidade, em 1842, aproximadamente, a passagem de “comitivas” de gado, um salto para a pecuária e desenvolvimento. Por conta deste contexto importante, o Município de União da Vitória decidiu pela criação de um Monumento Especial na década de 90.  Ele foi colocado exatamente na chegada do gado, em uma das pontas da travessia. Na época, Therezinha Wolff era a Secretária da Cultura e mobilizou o Projeto. “Era para marcar o Centenário de União da Vitória. Na época, cinco Entidades ajudaram. Na inauguração, fizemos Missa Crioula, criamos um jardim. Ficou muito bonito”, lembra. O Monumento tem, por exemplo, além de um resumo da história do vau, a reprodução de uma das fotografias mais interessantes da época. “Ela foi feita por Metha Luize Moecke, da janela da casa dela. Mostra o gado atravessando o rio”, lembra a ex-Secretária, hoje Diretora do Castelinho, em Porto União. (…)”. Fonte: Trecho de um texto escrito pela jornalista Mariana Honesko, in Jornal O Comércio, datado de 27 de março de 2015.

UMA SERVIDÃO DE PASSAGEM

Pois é, minha gente, ainda na semana passada, o prédio da Livraria Gisa (antiga Livraria Cleto) foi colocado ao rés do chão. Mais um prédio histórico foi demolido. Os comentários são os mais variados. Uns a favor, outros contra. No entanto, este ato representa o preço do progresso e da evolução citadina. Porém, o que mais me preocupa é a Travessa Vereador Airton Maltauro, que une a Avenida Pedro Siqueira Cortes com a Rua Carlos Cavalcanti. Porquanto, é público e notório, que, há muitos anos, existe uma porção de casas ocupadas por um bom número de moradores  na referida Travessa, denominada como Rua, pela Lei Municipal no 1255, de 04 de maio de 1983. Com certeza, ela será preservada e mantida para o livre transito daqueles moradores. Isto porque, jurídicamente, o fato caracteriza  uma servidão de passagem.

O QUE É SERVIDÃO DE PASSAGEM?

Servidão de passagem ou de trânsito é um direito, decorrente de um ato de vontade, concedido pelo proprietário de um terreno ao(s) seu(s) vizinho(s) de transitar(em) em local estabelecido em sua propriedade, por conveniência de acesso. Uma observação importante sobre a servidão é que o proprietário não está obrigado a dar passagem. Como a servidão pode ser usucapida, é importante haver registro do acordo no Cartório de Registro de Imóveis.

SESSÃO SOLENE

A Sessão Solene da Academia de Letras do Vale do Iguaço (ALVI) para a entrega do Título de Cidadania Benemérita de Porto União à Professora  Aldair Wengerkiewicz Muncinelli, atual Secretária Municipal de Educação, estava marcada para o dia 05 de dezembro próximo. No entanto, por razões de segunda ordem, foi transferida para o dia 06, às 19h e 30min, no Centro Cultural 25 de Julho, em Porto União, Santa Catarina.

Beira do Iguaçu, Novembro de 2.018

Odilon Muncinelli é Membro da ALVI e do IHGPr

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *