Milho no Monjolo Archives - Milho no Monjolo

Milho no Monjolo

Odilon Muncinelli

Milho no Monjolo – 10 de Outubro de 2017

PRÊMIO NOBEL DE LITERATURA 1

O escritor Kazuo Ishiguro, de 62 anos, conquistou o Prêmio Nobel de Literatura 2017. A escolha foi anunciada na última quinta-feira, dia 05, em um evento em Estocolmo, na Suécia. Considerado um dos maiores autores vivos da língua inglesa, ele vai receber 9 milhões de coroas suecas (cerca de R$ 3,5 milhões). A Academia Sueca, responsável pelo Nobel, informou em comunicado que o Ishiguro recebeu o prêmio porque “em seus romances de grande força emocional, revelou o abismo sob nossa sensação ilusória de conexão com o mundo”. / Nascido em Nagasaki, no Japão, em 1954, Kazuo Ishiguro mudou-se para a Inglaterra aos cinco anos de idade, onde vive até hoje. Autor de oito livros (sete romances e um volume de contos), ele escreve em inglês. / São dele “Os vestígios do dia” (1989), que ganhou o Man Booker Prize de 1989, e a ficção científica “Não me abandone jamais” (2005), ambos adaptados ao cinema e lançados no Brasil pela Companhia das Letras. / A editora também publicou “Quando éramos órfãos” (2000) e “O gigante enterrado” (2015), além da seleção de contos de “Noturnos: Histórias de música e anoitecer” (2009). / Ao fazer o anúncio do prêmio a Ishiguro, secretária-geral da Academia Sueca, Sara Danius, destacou que o autor retrata em seus livros temas como “memória, passagem do tempo e autoilusão”. / Danius descreveu que o estilo de Ishiguro junta Jane Austen e Franz Kafka, com “um pouco de Marcel Proust na mistura”. / A Academia também lembrou que o filme “Vestígios do dia” (1993) foi estrelado pelo ator Anthony Hopkins. Ishiguro assina ainda o roteiro do filme “A condessa branca” (2005), estrelado por Ralph Fiennes e Natasha Richardson.

PRÊMIO NOBEL DE LITERATURA 2

Vencedor do Prêmio Nobel de Literatura, título concedido na última quinta-feira em Estocolmo, na Suécia, o escritor Kazuo Ishiguro teve dois romances adaptados para as telas do cinema.  / O primeiro livro a virar filme foi Os Vestígios do Dia, lançado em 1989 e reconhecido com o prêmio Booker Prize no mesmo ano (No Brasil, algumas edições tiveram o título traduzido para Os Resíduos do Dia). Na trama dirigida por James Ivory, um mordomo que há décadas trabalha servindo uma mesma mansão passa a olhar para seu passado quando o atual patrão lhe concede alguns dias de férias. Nesse tempo de descanso, Stevens, interpretado pelo ator Anthony Hopkins, entra em contato com uma ex-colega, a governanta Miss Keaton, vivida pela atriz Emma Thompson, que nutre sentimentos pelo mordomo — intenções que o homem, devotado à casa e à profissão, não foi capaz de perceber – assim como também não percebeu o desmoronamento do mundo em que vivia, abalado pela ascensão do fascismo e pela iminência da II Guerra. O filme foi lançado em 1993 e indicado a oito Oscar, mas não levou nenhuma estatua. (Fonte: Jornal Diário Catarinense).

A ÚLTIMA / REFLEXÕES

1. “Investir em marcas de qualidade invista em você”. 2. “Neste mundo de inverdades tenho abandonado tantas ilusões”. 3. “Homens, rodos tecidos da tênue teia da vida”. 4. “Se a vida não está ótima que seja sensacional”. (Silmar Bohrer, Presidente da Academia Caçadorense de Letras e Artes – ACLA).

Beira do Iguaçu, Outubro de 2.017.

Odilon Muncinelli é Membro da ALVI e do IHGPr