Tabaco causa prejuízo de R$ 56,9 bilhões com despesas médicas no Brasil - Vvale

Tabaco causa prejuízo de R$ 56,9 bilhões com despesas médicas no Brasil

Arrecadação de impostos com cigarro é menor que gastos com a saúde. Dados foram divulgados no Dia Mundial sem Tabaco, lembro no final de maio

No Dia Mundial sem Tabaco, lembrado em 31 de maio, o Ministério da Saúde e o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) lançaram o estudo, Carga de Doenças e Custos Econômicos Atribuíveis ao Uso do Tabaco no Brasil. A pesquisa aborda, pela primeira vez, o custo do tabaco para o Brasil. O consumo de cigarros e outros derivados causa um prejuízo de R$ 56,9 bilhões ao País a cada ano. Deste total, R$ 39,4 bilhões são com custos médicos diretos e R$ 17,5 bilhões com custos indiretos, decorrentes da perda de produtividade, provocadas por morte prematura ou por incapacitação de trabalhadores.

O estudo verificou que a arrecadação total de impostos pela União e estados, com a venda de cigarros no país em 2015, foi de R$ 12,9 bilhões. Ou seja, o saldo negativo do tabagismo para o país foi de R$ 44 bilhões, quando se subtrai os gastos da saúde em relação aos impostos arrecadados.

Segundo o estudo, as doenças relacionadas ao tabaco que mais oneraram em 2015 o sistema público e privado de saúde no Brasil foram: doença pulmonar obstrutiva crônica-DPOC – principalmente enfisema e asma – (R$ 16 bilhões); doenças cardíacas (R$10,3 bilhões); tabagismo passivo e outras causas (R$4,5 bilhões); cânceres diversos de esôfago, estômago, pâncreas, rim, bexiga, laringe, colo do útero e leucemia (R$4 bilhões); câncer de pulmão (R$2,3 bilhões); acidente vascular cerebral (AVC)(R$2,2 bilhões); e pneumonia (R$146 milhões).

Ainda mais grave que o impacto econômico são as mortes provocadas pelo tabagismo. O estudo aponta que o tabagismo foi responsável por 156.216 mortes no Brasil em 2015, que representam 12,6% de todos os óbitos de pessoas com mais de 35 anos. Do total de 156.216 óbitos relacionados ao tabaco, 34.999 foram por doenças cardíacas, 31.120 por DPOC, 26.651 por cânceres diversos, 23.762 por câncer de pulmão, 17.972 por tabagismo passivo, 10.900 por pneumonia e 10.812 por AVC.

A pesquisa que levantou todos estes dados teve a coordenação científica da Fundação Oswaldo Cruz e do Instituto de Efectividad Clínica y Sanitaria (IECS), da Universidade de Buenos Aires. O INCA financiou o estudo por meio de um acordo técnico com a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) e com subsídios do International Development Research Centre (IDRC), do Canadá.

Outro estudo recente que trata do tabagismo é a Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar de 2015. A pesquisa mostrou que as maiores prevalências de experimentação de cigarro, entre os estudantes do 9º ano, foram nas regiões Sul (24,9%) e Centro-Oeste (22,1%).  Com relação ao consumo atual de cigarros pelos adolescentes, as prevalências foram similares entre as regiões (variando de 6% a 7%), com exceção do Nordeste, onde foi mais baixa (4%).

Futuro

Uma simulação mostrou o que aconteceria nos próximos dez anos, caso os preços dos cigarros fossem elevados em 50%. Nesse período, o aumento de preços levaria à redução de consumo, evitando 136.482 mortes, 507.451 infartos e outros eventos cardíacos, 100.365 acidentes vascular cerebral e 64.383 novos casos de câncer.

Além disso, a redução do consumo traria ganhos econômicos de R$ 97,9 bilhões no período de dez anos: R$ 32,5 bilhões de economia em custos de saúde, R$ 45,4 bilhões de aumento em arrecadação tributária (já considerando a redução nas vendas de cigarros) e R$ 20 bilhões de economia com perdas de produtividade evitadas.

Tabagismo no Vale do Iguaçu

Desde a década de 90, o Ministério da Saúde orienta a execução dos programas de controle, um refúgio para quem deixar de fumar. Eles funcionam dentro das secretarias de saúde. Funciona assim: o fumante pode procurar a unidade de saúde do seu bairro e sinalizar a vontade. Depois, ele vai frequentar as reuniões de apoio e por ser “paciente” do programa, tem direito aos medicamentos de suporte neste processo de desintoxicação e abandono de vício. Na lista, estão a goma, a pastilha, os adesivos e o antidepressivo, para o controle da ansiedade.

No Vale do Iguaçu, ambos os municípios oferecem à comunidade os programas. O Programa Nacional de Controle do Tabagismo atua em parceria com o Instituto Nacional do Câncer, o Inca. A plataforma tem como meta reduzir o número de fumantes e a consequente morbimortalidade relacionada ao consumo de derivados do tabaco.

0 COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta