Tomada de decisão no contexto resolutivo

Em algum momento de sua vida, você já se perguntou, se está tomando a decisão correta, baseando-se na análise das consequências dos seus atos.

Você pode corrigir uma decisão errada, pagando um preço pelo erro, mas não pode corrigir uma indecisão.

Cumpre lembrar, porém, que não fazer nada, isto é, deixar as ações seguirem seu curso normal pode ser uma decisão.

Decidir requer coragem tanto quanto discernimento. É necessário equilibrar objetivos, opiniões e prioridades conflitantes num contexto de pressão.

As decisões podem ser programadas e não programadas. Decisões programadas são mais fáceis de serem tomadas, uma vez que tendem a serem rotineiras. Para facilitar o seu trabalho, as empresas criam regras, normas e procedimentos. As decisões não programadas decorrem dos imprevistos, situações atípicas que alteram sua rotina de trabalho. E, que jamais devem ser postergadas. Portanto, analise se existem decisões que já estão criando em você uma pressão psicológica e que exigem com grande urgência seu posicionamento. Refletir é fundamental. Leve em consideração também o seu bem estar não somente dos que o rodeiam. No entanto, focar em por memores e dramatização criará um senso de tortura mental, inibindo seu posicionamento.

Seja resolutivo, analise o tipo de problema ou oportunidade existente, considere as consequências e vantagens, não aja com precipitação, mas também não viva um “achismo” ou “cegueira” da realidade.


*Confira com a Master Coach, Fernanda Perdum.