“Tanto a população, quanto poder público, enxergam importância do agro para economia de Bituruna”

Juliana Skalski, veterinária, comentou sobre o meio rural de Bituruna na CBN Linha Aberta
bituruna-1

Desde o dia 2, a CBN Vale do Iguaçu, realiza entrevistas sobre o meio rural e a sua movimentação junto a economia da região.

Levantamento exclusivo aponta o percentual da área dedicada à agricultura e o avanço da produção familiar e patronal nas cidades da Associação dos Municípios do Sul do Paraná (Amsulpar).

* A entrevista aconteceu em julho de 2020, por telefone.


A veterinária Juliana Skalski comenta que  Também tem destaque nas demais culturas de produção temporária, como o alho (9 ton), amendoim (em casca – 5 ton), arroz (em casca – 500 ton), cana-de-açúcar (5.540 ton), batata-doce (200), cebola ( ton), feijão (em grão – 1.555 ton), fumo em folha (600), mandioca (5.100 ton), melancia (500 ton), melão (20 ton), milho (em grão – 12 mil ton), soja (em grão – 7.800 ton), tomate (45 ton) e trigo em grão (360 ton).

Segundo Juliana, embora a uva seja uma fruta tradicional e reconhecida na cidade, não é tão significativa quanto as demais culturas. Ela aparece com uma produção de 1.089 toneladas.

Atualmente são 1.600 famílias que trabalham no campo, com renda média de R$ 24 mil / ano, por família. O perfil profissional nas lavouras é de 53% homens e 46% mulheres. A maioria formada por casais aposentados e jovens que saem em busca de estudo na área agrícola e retornam às suas propriedades.

A área territorial de Bituruna é de 1.231,883 km².


Confira: