ESPECIAL VEREADORES: “Não tem como dar outra nota que não seja zero para Jair Bolsonaro”

Thays Bieberbach (PT) foi a convidada da CBN Vale do Iguaçu
Thays-Bieberbach-cbn

A CBN Vale do Iguaçu nesta terça-feira, 25, deu continuidade ao ESPECIAL VEREADORES.

A série conversa com os representantes do legislativo de União da Vitória gestão 2021-2024.

Do lado paranaense, a participação de hoje foi de THAYS BIEBERBACH (PT). Ela tem 29 anos e é professora de Ensino Médio.

No pleito de novembro de 2020, obteve 459 votos. 


Sobre a entrevistada:

Esta foi a primeira vez que a jovem disputou uma eleição. É natural de Curitiba e acredita na força feminina junto aos cargos de poder, como é o caso do legislativo. É mãe do Lucas e professora de História, formada pela Universidade Estadual do Paraná, com trajetória na luta feminista e na educação popular, inclusive na criação de cursinho pré-vestibular social em bairros da cidade. Iniciou a atividade política no curso de História da Unespar, em meio ao movimento estudantil. Milita pelo enfretamento de problemas vividos pelas acadêmicas e no amparo às vítimas de assédio moral e sexual dentro da universidade. É uma das fundadoras do Coletivo Feminista Mais que Amélias, primeira organização de movimentos sociais de União da Vitória, que possibilitou o contato próximo e recorrente com diversas demandas femininas, destacando-se no combate à violência contra as mulheres na região sul do Paraná. Também é uma das fundadoras do Instituto Rosas do Contestado, que atua com as populações em situação de vulnerabilidade social. 


CBN Vale do Iguaçu: Vereadora, a senhora participou da sondagem feita pelo Jornal O Comércio no final de semana e deu algumas notas às autoridades políticas. Gostaríamos que a senhora aproveitasse este espaço para explicar as notas que a senhora deu.

Para a atuação do presidente e do governo suas notas foram zero, porquê?

Thays Bieberbach: Fico bem feliz em poder falar sobre essa sondagem. Não tem como dar outra nota à Jair Bolsonaro, que não seja zero, desde que ele entrou no governo federal. Além dele mexer na política federal para beneficiar os filhos, a gente vê os casos de corrupção que ele tenta abafar dizendo que não existe corrupção no governo dele. É um desastre esse governo no enfretamento à pandemia. Temos um presidente que é negacionista, ele nega a ciência, nega a pesquisa do País. Tudo que está sendo feito hoje na pandemia vem por conta dos pesquisadores das universidades. Não tem como dar outra nota que não seja zero para Jair Bolsonaro. O auxilio emergencial, as pessoas tem falado que veio do Jair Bolsonaro, mas não foi. Foi a Câmara dos Deputados que viu o valor de R$ 600 reais e o Bolsonaro queria dar menos. É importante falar isso e o porquê que eu dei nota zero para ele.

CBN Vale do Iguaçu: Então não citaria contribuição para o País?

Thays Bieberbach: Não. Ele fez contribuição para beneficiar a família dele.

CBN Vale do Iguaçu: Na sua opinião, qual o principal ministério ou ação do governo?

Thays Bieberbach: Olha, o Ministério da Saúde, que deveria ser o mais forte neste momento de enfrentamento à pandemia, a gente viu que entrou ministro e saiu ministro. Quando os ministros, principalmente os médicos,  dependiam da ciência, o presidente tirava eles do ministério e, agora colocou um general que não entende nada, mas nada de saúde pública. É bem difícil lidar com esse Governo Federal porque prejudica estados e municípios.

CBN Vale do Iguaçu: Para a atuação do governador Ratinho Junior a sua nota foi quatro. Porque vereadora? E a senhora citaria uma principal contribuição?

Thays Bieberbach: Eu sou professora né. Sou professora PSS. Então a sociedade fala muito dos professores e da educação. O que a gente vê é que desde que o Ratinho Junior assumiu, situação  já vinha desde o Beto Richa, mas que com o Ratinho Junior ficou mais aflorado o ataque com o funcionalismo público e os professores. Ano passado, durante a pandemia, eu estava dando aula no Casimiro de Abreu, em Porto Vitória, e outros colegas também, tanto efetivos, quanto PSS, a gente viu o que esse governo fez com a nossa atuação dentro das escolas né. Foi uma pressão atrás da outra, e vi muitos colegas necessitarem de acompanhamento psicológico por conta da abordagem que o governo estadual praticou contra os professores. E para trazer algo que é mais chocante ainda, que enquanto a pandemia estava fervendo, agora em janeiro, com um número altíssimo de mortes e de casos aqui no Paraná, o governo Ratinho Junior fez uma prova PSS para 40 mil professores presenciais e para quatro mil vagas. Então a gente precisa colocar isso para a população também né. A pandemia está grave. O governo Ratinho Junior, quando se trata de educação, é ataque atrás de ataque aos professores.

CBN Vale do Iguaçu: Para o governo a sua nota também foi quatro. Porque?

Thays Bieberbach: É por conta dos ataques ao funcionalismo público, no País, estado e município, que não funciona sem o funcionário público. É preciso trabalhar a importância do funcionalismo público para que as coisas continuem impulsionando.

CBN Vale do Iguaçu: Na sua opinião, qual a principal secretaria ou ação do governo do Estado?

Thays Bieberbach: Eu trago a Secretaria de Educação e Esporte, a SEED. E trago para que as pessoas saibam que não tem diálogo com o Secretário Renato Feder. Mão é sou eu Thays enquanto vereadora falando. Sou eu Thays mãe e professora falando.

CBN Vale do Iguaçu: Para a atuação do prefeito no mandato anterior a sua nota foi cinco. Porquê?

Thays Bieberbach: Então eu até falei para você na entrevista né, que não tem como dar uma nota para a pessoa que a gente não conhece né. Então eu fiquei em cima da atuação do governo. Eu dei nota cinco, porque a gente vê que União da Vitória teve grandes obras, e isso eu não posso negar, teve um esforço muito grande do município para fazer com que essas obras fossem realizadas. Só que ao mesmo tempo há uma parte da cidade, de pessoas que eu conheço e que moram onde não tem água encanada, luz elétrica, não tem banheiro. Esses últimos quatros anos, União da Vitória buscou muito desenvolvimento e deixou de lado vários bairros e várias pessoas que mais precisam do município.

CBN Vale do Iguaçu: Qual a principal contribuição?

Thays Bieberbach: Oh, eu não posso negar que a prefeitura fez uma atuação muito boa com relação a educação municipal em tempos de pandemia. A educação até agora, na gestão do Bachir, as aulas presenciais não vão retornar e isso começou também no mandato passado. A prefeitura ficou muito bem quanto a isso. Pensou na vida, saúde do município e educação. Ponto muito positivo.

CBN Vale do Iguaçu: Para a administração anterior também a sua nota foi cinco. Porque?

Thays Bieberbach: Vem muito ao encontro com a resposta anterior. A principal ação deles foi conseguir os recursos para o município, tanto do governo estadual quanto federal, mas existe um lado do município que não foi mexido. União da Vitória pé conhecida como uma cidade boa para idosos e crianças viverem. Mas tem uma parte da população que não tem água encanada.

CBN Vale do Iguaçu:  Mudando de assunto, falamos agora sobre a crise da Covid-19. A senhora já foi contaminada?

Thays Bieberbach: Não e fico bem feliz com isso, durante a campanha era a preocupação que a gente tinha. Mas o medo a gente sempre tem.

CBN Vale do Iguaçu: Como a senhora está se protegendo?

Thays Bieberbach: Ah, só saio quando tem que sair né. Usando álcool gel, máscaras e mantendo o distanciamento entre as pessoas.

CBN Vale do Iguaçu: Como avalia o trabalho de combate da Covid-19?

 *Pelo governo federal?

Thays Bieberbach: Eu acho um desastre né. Sobre as vacinas há muita resistência. O presidente fica falando que não tem comprovação cientifica que funcione, desincentivo as pessoas a se vacinarem e muitas fake news criadas pela base dele.

*Pelo governo estadual?

Thays Bieberbach: Bom, o Ratinho Junior não quis assinar a carta juntamente com os outros governadores né, falando sobre a preocupação em conseguir as vacinas para os estados. Esse é outro problema que eu vejo do Ratinho, ele vai muito na onda do governo federal. Isso preocupa a gente. Quando a gente tem alguém que nega ciência no governo federal é difícil acreditar que as coisas vão dar certo a curto prazo.

*Pelo governo municipal?

Thays Bieberbach: Eu conversei com o secretário municipal de saúde, com Ricardo Brugnago da Educação e com o prefeito Bachir Abbas, e o município tem suporte para a vacinação aqui. Mas não adiantar estar pronto para iniciar a vacinação se o governo federal não ajuda nessa parte.

CBN Vale do Iguaçu: Quais são seus projetos ou planos como vereadora?

Thays Bieberbach: Bom, são quase dez anos atuando em movimento social. E o que a gente aprendeu é que é muito ruim quando você chega no poder público e não consegue. Quando alguém não leva a sério as pautas que você leva. Queremos apresentar projetos de lei que saiam do papel. E não apresentar por apresentar. Eu trabalho com mulheres em situação de violência doméstica, também com ações sobre a saúde mental, patrimônio histórico e memória de União a Vitória. Vamos construir juntos com as intuições de ensino e deixar eles ainda melhor. Primeiro vou ficar bem de olho com o que acontece no município. Penso que precisa melhorar bastante a comunicação e mudar também a forma. Está de uma forma muito passiva e a gente quer atuar mais. Vamos começar com um gabinete itinerante a partir de março, nas comunidades. Não é fácil gente. Quem entra vereador e vereadora não consegue mudar tudo. É preciso compreender o processo.

CBN Vale do Iguaçu: A senhora integra o Partido dos Trabalhadores que não é da base aliada de apoio ao prefeito Bachir Abbas (PP). Como estabelecer um bom trabalho?

Thays Bieberbach: Obrigada pela pergunta. As vezes pessoas veem que a gente é do Partido dos Trabalhadores e nos veem como um bicho papão, por exemplo. O partido tem muitos anos de trajetória e é bem organizado. Não somos da base do prefeito, mas o diálogo precisa existir.

CBN Vale do Iguaçu: Suas considerações.

Thays Bieberbach: Obrigada a CBN e a todos que nos ouvem. O nosso gabinete vai estar sempre aberto para vocês e vai ter um cronograma com os horários de atendimentos. Tragam suas demandas. Procurem a gente em suas redes sociais. A gente não conhece tudo também. Vamos estudar para trabalhar bem.


 * Segue a entrevista na íntegra.