União da Vitória e Cruz Machado investigadas por suspeita de vacinação de pessoas mortas

A comissão Especial de Investigação (CEI) da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) instaurada para apurar fraudes na vacinação contra Covid-19 no estado, identificou 39 municípios que registraram suspeita de vacinação de pessoas mortas.

A comissão aponta um suposto esquema de uso de pessoas falecidas para furar a fila de vacinação. São 90 casos em investigação.  A comissão aguarda esclarecimento das prefeituras investigadas.

Segundo a comissão, os casos são os seguintes:

Arapongas: 8 casos;

Paranaguá: 6 casos;

Cambé e Cambará: 3 casos cada;

Marechal Cândido Rondon, Santa Izabel do Oeste, Umuarama, Realeza, Foz do Iguaçu, Tamarana, Jandaia do Sul, Ibiporã e Maringá: 2 casos cada;

Jardim Olinda, Itapejara D’Oeste, União da Vitória, Piraí do Sul, Kaloré, Cruz Machado, São Pedro do Ivaí, São Jorge do Ivaí, Guarapuava, Santa Tereza do Oeste, Moreira Sales, Tomazina, Loanda, Ipiranga, Entre Rios, Campina Grande do Sul, Ubiratã, Toledo, Francisco Beltrão, Teixeira Soares, Araucária, Rosário do Ivaí, Bandeirantes, Quatro Barras, Lapa, Palmas: 1 caso cada.

A prefeitura de Cruz Machado, em nota, informou que já prestou esclarecimentos ao Ministério Público Federal. Quanto ao caso, a note explica que se trata da vacinação de uma senhora, que recebeu a dose do imunizante em seu domicílio, fornecendo seu documento de identificação. Contudo, ao ter seus dados inseridos no sistema de vacinação, erroneamente constaram as informações de seu marido, já falecido.

Procurada pela reportagem, a prefeitura de União da Vitória informou que abriu um processo administrativo e que o caso está sendo investigado.