Como pequenas e médias empresas podem se defender de ciberataques?

Pedro Salles Leite, CEO da Videvince, empresa especializada na criação de projetos digitais, foi o convidado da CBN Vale do Iguaçu

Atualmente, com o advento e avanço de novas tecnologias, todas as pessoas e empresas possuem dados na internet.

As informações vão de e-mails e transações financeiras até histórico de visitas a sites e comportamento de consumo. A lista é grande e falhas de segurança podem expor familiares e clientes na internet.

Recentemente, alguns casos de problemas de cibersegurança chamaram a atenção em todo mundo. A JBS, por exemplo, gigante brasileira produtora de proteínas, pagou cerca de US$11 milhões a hackers que interromperam temporariamente o funcionamento de algumas de suas fábricas.

E não se trata de um caso isolado. Nos Estados Unidos o problema já se tornou crítico. Em algumas situações, os criminosos têm prejudicado o funcionamento de sessões de quimioterapia, retardado o trabalho de ambulâncias e causado transtornos no sistema de transporte.

De acordo com Pedro Salles Leite, CEO da Videvince, empresa especializada na criação de projetos digitais, grandes players já contam com sistemas de prevenção robustos, mas PMEs e startups, nem sempre, o que pode abrir brechas para a atuação de hackers.

“Na Videvince, por exemplo, atuamos desde 2017 para resolver esta discrepância. Em todos os projetos são implementadas boas práticas de segurança desde o primeiro dia de trabalho”.