“Empresas em turismo deverão se reinventar para se adequarem às demandas do novo turismo”

Proprietária de agência em Porto União acredita que o pós-pandemia será marcado por novas exigências de turistas

Um dos setores mais afetados em todo o mundo pela pandemia do coronavírus foi o turismo. Segundo previsões do Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC), o segmento pode perder até 100 milhões de empregos durante o período. Ainda de acordo com o Conselho, a previsão é de que o turismo só volte a decolar em 2023.

Para driblar a crise, as agências de viagens estão mudando estratégias para atrair o público que pretende viajar nos próximos meses, como acrescenta a proprietária de uma agência de idiomas e viagens em Porto União, Tania Mara Dai Prai.

“É fato que as empresas líderes em turismo deverão se reinventar para se adequarem às demandas do novo turismo, que surgirá quando a pandemia acabar. A tendência é de que as viagens sejam retomadas no decorrer dos meses e até de anos”.

Vale ressaltar que na Europa existem países que dependem profundamente de turistas, como é o caso da Geórgia (31%), Malta (27%) e a Croácia (25%).

“O objetivo do setor é evitar a falência de pequenos negócios que dependem do turismo. Sempre apostamos em ofertas e promoções para o público final”, comenta Tania.

A profissional recorda que quando começaram os primeiros casos da Covid-19 e que o assunto ‘pandemia’ passou a ganhar notoriedade, ninguém – muito menos ela, imaginou o alcance que a doença iria tomar.