“Nem todo juiz vende sentença, nem todo padre é pedófilo, nem todo policial é bandido e nem todo o político é corrupto”

Gilson Luiz Masselai (PSDB), vereador de Porto União, foi o convidado desta terça-feira, 4, da série Político é tudo igual?
2020 08 04 Gildo Masselai

Gilson Luiz Masselai (PSDB) foi o entrevistado desta terça-feira, 4, da série Político é tudo igual?

Em vias de se iniciar o processo eleitoral 2020, a CBN Vale do Iguaçu, até o dia 6 de agosto, entrevista os vereadores de União da Vitória (13) e de Porto União (11) para que você possa tirar suas próprias conclusões acerca da indagação sobre a igualdade dos políticos.

Entrevistado

Possui 30 anos de atuação na Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri); ingressou na política em 2008, quando sendo o segundo vereador mais votado; foi reeleito em 2012 e em 2016, também como o mais votado em ambos os pleitos; apresentou mais de 20 projetos de lei e contabilizou, até o momento, mais de 300 pronunciamentos na tribuna da câmara.


Confira entrevista.

CBN Vale do Iguaçu: Em sua opinião, qual foi sua principal contribuição enquanto vereador neste mandato?

Gilson Masselai: Eu posso dizer que eu estou em contato direto, de segunda a domingo, com a população; seja nos bairros, no interior, em todas as ruas onde temos obras. Veja, que neste mandato do Eliseu, ele era o meu candidato, e fomos ambos eleitos e fiquei muito feliz por isso, e eu tenho trabalhado muito. As pessoas que me acompanham pelo facebook sabem disso. Olha, eu tenho muitas ações, muitas mesmo, que eu poderia destacar aqui e, que seria longo. Mas assim, foram mais de 20 projetos de lei, alguns milhões de reais viabilizados para Porto União, atendimento às pessoas, aos bairros, reuniões, palestras, eu penso que eu tenho um legado bacana com a sociedade de Porto União. Uma vez que eu fiquei 30 anos na Epagri, na assistência técnica e extensão rural, conheço profundamente o meio rural, a questão agro, solo e meio ambiente. Tanto que os mais de 20 projetos que eu escrevi foram de cunho ambiental né; mesmo porque eu gosto dessa área. Sobretudo, focando nas pessoas, no meio ambiente e na sustentabilidade. Eu digo assim: podemos ter um bolso cheio de dinheiro, mas se não tivermos um solo fértil para produção e uma água potável para beber, certamente vamos nos auto-suicidar.

CBN Vale do Iguaçu: O que o senhor pensa sobre a demanda popular recorrente que pede redução de salários dos vereadores?

Gilson Masselai: Olha, eu penso da seguinte forma, as pessoas que você trabalha para elas, as pessoas atendidas e que te procuram, e que tem um pouquinho de conhecimento político, elas não falam essas coisas. Porque todo o profissional que trabalha bastante, deve ser bem remunerado, em qualquer área – medicina, odontologia, pedreiro, a doméstica, trabalhou bem, é honesto, deve ser bem remunerado.  Agora, aquele funcionário, seja da iniciativa privada ou iniciativa pública, que não trabalha deve ser eliminado, deve ser mandado embora. Político que trabalha bem e que é honesto tem que ganhar bem. Já o político que é desonesto e que some, não deve ganhar nada, muito pelo contrário, deve ser eliminado nas próximas eleições e quem tem que fazer isso? É a população, através do conhecimento. Eu digo assim, quando eu for pedir voto – se eu for pedir voto esse ano para a população de Porto União, seja para vereador, vice-prefeito ou prefeito, porque eu não sei ainda o rumo que eu vou tomar, eu quero que cada eleitor me faça o seguinte questionamento: “olha Masselai, senta aqui nesse banco e me convença que eu deva votar em você; me fale de Porto União, qual é o seu legado? Quantos projetos? Quais são? Projetos para Porto União? Economia? O que quer dizer a palavra vereador?

Eu sou contrário à redução de salário de qualquer político, de vereador a presidente da república, que seja bom, que seja honesto e extremamente trabalhador.

CBN Vale do Iguaçu: Qual é a sua opinião sobre a ampliação de cadeiras no legislativo municipal?

Gilson Masselai: Viu vocês (reportagem) lembram bem do projeto de lei que passou pela câmara aumentando de 9 para 11, mas queriam por queriam para 13, e eu disse lá na tribuna e está gravado: “se aumentar o número de cadeiras resolvesse o problema de Porto União, não aumentaria para 11, mas sim aumentaria para 30, tá”. Tanto que o meu voto foi contrário para aumentar de 9 para 11, se não me falha a memória, eu fui o único vereador que votou contrário. Se apresentarem um projeto para votar para sete, ou para cinco cadeiras, terão o meu apoio.

CBN Vale do Iguaçu: Qual é a nota que dá e porque – para o Presidente Bolsonaro?

Gilson Masselai: Eu estive com ele (o Bolsornaro) por algumas vezes em Brasília, voto nele, fiz campanha e dou nota oito para ele, porque eu gostaria que ele fosse mais incisivo em suas ações, mais firme nas suas ações, para que o Brasil tomasse rumo, e que ele realmente tivesse as rédeas do desenvolvimento, do crescimento, dos direitos das pessoas na mão, e não tem. Ele outorgou o poder para algumas pessoas que não estão fazendo aquilo que eu gostaria que fizesse. Então nota oito e se fosse candidato novamente eu votaria para ele.

CBN Vale do Iguaçu: Para o Governador de Santa Catarina, Carlos Moisés?

Gilson Masselai: Olha, a minha nota para o Governador, por enquanto é a nota dois. Eu estou falando das ações do Governador em Porto União. Eu estive com ele, junto com o prefeito, estivemos frente a frente, olho no olho, falando da SC-135 que eu paralisei cinco vezes e há vários anos ele já está lá e não fez nada. Não só ele como os demais. Mas ele era renovação. Eu fiz campanha para ele, adesivei meu carro com o nome e número dele, falei com assessores, fizemos campanha, foi bem votado aqui e nos abandonou. Um estado rico como Santa Catarina que tem 1.13% de território nacional, mas que é a quinta economia e é o primeiro em vários setores, deixar Porto União que é um grande celeiro de produção abandonado como a SC-340 – SC135, como a estrada da Paca e a que liga Canoinhas a Major Vieria, é um descaso mesmo.

CBN Vale do Iguaçu: Para o prefeito Eliseu Mibach?

Gilson Masselai: Para o prefeito dou nota dez. Vou justificar que em dois mandatos meus, os prefeitos Anizio e Renato Stasiak, pouca coisa se viu fazer, fizeram o básico, o café com leite. Aliás, eu os denunciei várias vezes e os provoquei várias vezes para que fizessem as obras bem-feitas. Não estou dizendo que eles foram péssimos ou horríveis, mas eram mal assessorados e tinham assessores que eu dou nota zero para eles. Todo mundo sabe o que eu estou falando. Agora o Eliseu merece dez. Ele está fazendo uma revolução em todos os setores da administração municipal, com um olhar com carinho e administrativo em todos os setores, seja meio rural e urbano. Eliseu nota dez e terá o meu apoio sempre. Ele já me conquistou e tenho carta branca com ele e com seus colaboradores.

CBN Vale do Iguaçu: Como o senhor avalia o cenário eleitoral do município neste momento?

Gilson Masselai: Soube que tem algumas candidaturas, mas em função da pandemia você sabe, se não estou enganado a eleição foi prorrogada para *15 de novembro, então temos cerca de 90 e poucos dias de eleição. Deveremos ter dois ou três candidatos, talvez mais a prefeito e muitos a vereador, mas digo assim, você que é candidato, se for um cara preparado, um cara de sucesso financeiro e profissional, seja candidato. Mas seja um candidato se for de sucesso, porque se for um fracassado e entrar na política para se encostar, não faça isso. A política não é lugar para ninguém se encostar. Eu quero que os profissionais liberais, empresários, comerciantes, pessoas inteligentes participem da política de Porto União.

CBN Vale do Iguaçu: É pré-candidato a um novo mandato?

Gilson Masselai: Sim eu sou pré-candidato a vice-prefeito na chapa do Eliseu, se assim for a vontade do PSDB. Eu espero que o meu nome seja sugerido, porque essa é a minha vontade, eu não vou mentir, não vou negar para ninguém. Também se não me derem oportunidade, darei um passo atrás e vou a vereador novamente, porque sou preparado e posso somar. As pessoas me conhecem, sabem da minha idoneidade política.

Político é tudo igual? Não é tudo igual. Por isso eu digo sempre: nem todo o juiz vende sentença; nem todo o padre é pedófilo, nem todo o policial é bandido e nem todo o político é corrupto. O dia que nos estivermos com o nível cultural da Dinamarca, da Finlândia, … nós vamos ter políticos bons e honestos. Mas enquanto tiver alguém fazendo boca de urna não tem o que fazer. O eleitor tem que conhecer profundamente que o melhor para o representar é fulano de tal.

 


* Adiamento das eleições para 15 de novembro

O Senado aprovou o adiamento do primeiro turno das eleições municipais de 4 de outubro para o dia 15 de novembro. Assim, a data do segundo turno passa para o dia 29 de novembro. O adiamento das eleições em seis semanas se dá em virtude do cenário epidemiológico do novo coronavírus (covid-19) no Brasil e a consequente necessidade de se evitar aglomerações.