Reportagem Especial: Quilômetros de Milhões

Relato aborda logística do cenário Agro da cidade considerada a mais rural do Paraná até os lares brasileiros

Antônio Olinto, que fica no Sudeste do Paraná, distante 140 quilômetros de Curitiba, se tornou conhecida por apresentar o menor grau de urbanização do estado, sendo 91% dos habitantes em ambiente agrícola, de acordo com o instituto brasileiro de geografia e estatística.

(Reprodução/Prefeitura Municipal de Antonio Olinto)


  • A cidade conta com:
  •  7.427 habitantes
  • 6.832 vivem no interior
  • 46.840 hectare (ha)
  • – maioria descendente de ucranianos e poloneses
  • – agricultura garante o sustento das famílias
  • pib per capita é de r$ 26 mil

Ezequias Gomes do Nascimento é gerente administrativo na Aviexp – Importação, Exportação e Serviços, que é responsável pela Fazenda Frutax, que fica na estrada agua amarela de cima, conhecida pela comercialização de frutas como o kiwi, maça e ameixa, e os grãos, como o milho e a soja. a importação dos alimentos acontece do estado da Bahia para o mundo.

Ezequias Gomes do Nascimento

Segundo o produtor, o sucesso no cenário agro é percebida anualmente em uma boa colheita. Acrescenta que o destaque na logística é o investimento na recuperação de estradas para o escoamento agrícola. São centenas de quilômetros de estradas até que o produto chegue à mesa do brasileiro.

Do campo à mesa, as estradas “de terra” ou estradas vicinais permitem o fluxo de mercadorias e serviços na zona rural dos municípios. outro efeito das estradas ruins é a elevação dos custos do transporte e a consequente redução do lucro do produtor.

(Divulgação)

Vale destacar que os meios de escoamento de produção agrícola mais utilizados atualmente no Brasil são o transporte rodoviário e ferroviário, apesar de representar apenas 5% do setor, o transporte hidroviário também é adotado.

Segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento o agro representa 21% do produto interno bruto nacional. Na prática, isso significa que o segmento é responsável por uma cadeia de produção que envolve vários setores da economia.

Segundo a Bloxs, uma plataforma de Investimentos Alternativos, os corredores de circulação e exportação de commodities – como soja, milho e proteína animal – são chamados de “rotas da riqueza”. Entre as rodovias mais estratégicas do país estão aquelas que fazem a ligação entre grandes centros produtores, consumidores e portos dedicados à exportação dos produtos. É o caso da BR-376, que cruza todo o estado do Paraná e atende parte dos estados de Mato Grosso do Sul, São Paulo e Santa Catarina, além do Paraguai.

BR-376 (Reprodução/Internet)

O escoamento de toda essa produção é feito principalmente pelas rodovias, que representam 61% da matriz de movimentação de cargas no território nacional. E a maior parte dessa circulação do agronegócio passa pelas estradas dos Campos Gerais, no Paraná, seja pela PR-151, BR-376 ou BR-277. Essas rodovias formam um dos maiores corredores de exportação agrícola por via terrestre da América Latina.


Os números apresentados até aqui reforçam que o agronegócio tem um papel fundamental no futuro: garantir o fornecimento de alimentos e a geração de emprego e renda no país e no mundo.


Mas tem um porém.

O que acontece da porteira para dentro é diferente do que acontece do lado de fora. A partir do momento que o caminhoneiro liga a sua ingnição para iniciar a viajem os obstáculos são inimagináveis e muitos deles só podem ser resolvidos a partir de um olhar direcionado do poder público.


Ouça a reportagem completa:

Narração: Gabrielly Cesco, Wannessa Stenzel e Rafael Peruzzo
Edição: Gabrielly Cesco
Trilha sonora: Almir Sater