“Um mês sem redes sociais: você consegue?”

O Professor de Psicologia da Universidade Positivo, Gilberto Gaertner, comenta sobre a Campanha Mundial que propõe um mês sem redes sociais
2019 09 05 Gilberto Gaertner

Gilberto Gaertner, Professor de Psicologia da Universidade Positivo, foi o convidado do Programa CBN Tarde de Notícias, desta quinta-feira, 05. Em pauta, CAMPANHA MUNDIAL QUE PROPÕE UM MÊS SEM REDES SOCIAIS. Uso das ferramentas digitais pode ser mais viciante que cigarro e álcool.

A instituição britânica Royal Society For Public Health (RSPH) promove, pelo segundo ano, uma campanha intitulada Scroll Free September, que propõe aos participantes reduzir ou abandonar o acesso às redes sociais por 30 dias, durante todo o mês de setembro.

O desafio é dividido em 5 categorias para que todos possam participar, sem desculpas. São elas: Busy Bee (sem mídias sociais na escola ou no trabalho); Sleeping Dog (sem mídias sociais no quarto); Social Butterfly (sem mídias sociais em eventos sociais); Night Owl (desligar-se das mídias sociais todos os dias, a partir das 18h); e Cold Turkey (não abrir nenhuma rede social por 30 dias).

Segundo a RSPH, a campanha é uma oportunidade de pensarmos sobre nossa relação com as mídias sociais – será que não está gerando um impacto negativo em nossas vidas?

Um estudo divulgado pela plataforma Hootsuite revelou que o brasileiro é o terceiro público que gasta o maior tempo na internet. São, em média, 9h14 diariamente na web, ficando atrás apenas dos tailandeses (9h38m) e filipinos (9h29m). Porém, no tempo que se gasta em redes sociais, os brasileiros ficam em segundo lugar (3h39), perdendo apenas para os filipinos (3h57) e à frente dos tailandeses (3h23). Segundo a pesquisa, 130 milhões de brasileiros estão nas redes sociais, o equivalente a 57% da população do país.