Autoajuda e a ilusão perigosa

CBN-comentario

Promessas de que você será diferente, a pregação de que sua mente pode ser transformadora é só ter autoconvencimento. Você já deve ter se deparado com os vendedores de ilusão. Os discursos constantes de que pode-se resolver a vida estando convencido de que ela está resolvida.

Quando era mais jovem ainda me lembro dos inúmeros desenhos animados dos super-heróis que tinham poderes extraordinários e podiam resolver situações impossíveis. Um herói contra oito ou nove bandidos malfeitores que são vencidos de forma improvável. Mas, quem pode deter o ser humano de que infantilizado acredita ter superpoderes?

Criança, eu considerava que o super-herói era uma brincadeira gostosa de ilusão. A infância tem destas coisas, a gente pode imaginar por ainda não entender a complexidade das coisas. Logo, a inocência da pouca vida perdoa enxergar o que não existe. E quando se é adulto não deveríamos parar de brincar de super-heróis?

A infantilidade continua, a fase adulta não chega. Agora se pode adiar a maturidade pelo peso de ter que encarar a vida como ela é. Parte considerável dos falsos amadurecidos de hoje despencaram em choro e uma paralisia diante da realidade. Que pena. O que nos reserva o futuro diante disso?

Para piorar, a venda da ilusão. Os manuais de encarar a vida como brincadeira de criança continuam a solta. O manual da infantilidade está espalhado e tem vários autores. Cursos que terminam, e você pode acreditar, com os formandos no jardim de infância da autoajuda vestidos de super-heróis.

Tomados pelo sentimento do chamado “empoderamento” da ilusão, eles agem, falam, se auto intitulam como capazes de tudo. Vão caminhando às cegas, levam tombos por não enxergarem as pedras no caminho, mas parecem não acordar. Se destroem, perdem o que tem e nem sabem o que perderam. A realidade não perdoa quem vive sonhando.

Não tenho nada contra sonhar, isto nos move. O caminho até o sonho requer racionalidade e responsabilidade de compreender o que nos separa do que queremos. Assim que superamos limites, olhando o que somos e superando as dificuldades com atos coerentes diante de uma realidade da qual somos cientes.

As pessoas devem ser orientadas a entender a realidade. Seres humanos têm o poder de conhecer pela dúvida, entender pela consciência das capacidades e deficiências. Ser melhor é saber no que temos que melhorar. Na lógica de Platão há uma verdade, o conhecimento e a consciência sobre a verdade é um parto doloroso. Porém, ao final, se dá luz à vida.

 Devemos aprender isso e não voltarmos à infância e brincar com coisa séria, o que muita gente tem feito e pago um preço caro quando se depara com a realidade.