Saída de secretários é política de segurança

d5818705fe3f559ee346da14fe33dafa

Este é um ano eleitoral. Os poderes municipais vão assistir mudanças e permanências. Muitos prefeitos estão em seu último ano de mandato, ou porque já estão vindo de uma reeleição ou porque não vão conseguir se reeleger, outros, não querem mais conduzir o poder. De uma forma ou de outra, fazer o sucessor e se manter é uma busca de quem está no poder.

Logo, estamos em um momento em que a troca dos secretários municipais é fundamental como estratégia política. Muitos sucessores vem de dentro do corpo da administração direta. Outros, acabam por se tornar aliados importantes para fortalecer o interesse de uma reeleição. Por isso, há que ter cuidado em que fica ou sai das secretarias municipais.

A saída de um secretário municipal, via de regra, não é declarada. Raro são os casos de ruptura anunciada. Quando acontece é campanha eleitoral de oposição que dá seu “start”. O inimigo que nasce das fileiras dos aliados. Esta é uma preocupação de muitos chefes dos executivos municipais, com quem posso ou não contar.

Secretários escolhidos por sua capacidade técnica tem uma carreira construída antes de serem convidados a assumir uma cadeira na administração municipal. Ela deve permanecer após a eleição. Muitos destes profissionais se preocupam em não associar o seu nome a um candidato. O que não significa ser oposição, apenas não se apoio.

Neste momento de ambiente eleitoral que se aproxima, fala mais alto o político que o técnico. A habilidade em defender uma ação do líder do executivo e de não manchar a sua popularidade. Se possível ampliá-la. São as habilidades necessárias que se quer em um ano eleitoral.
Por isso, temos que entender a troca dos secretários como algo “natural” do ambiente político. Mesmo que isso signifique um prejuízo técnico. Sempre estamos falando da necessidade de uma administração que valorize a qualificação que a pasta, a área de atuação exige. Contudo, isto não é prioridade quando a questão é o jogo do poder. Neste caso, a política fala mais alto que a técnica.