Ser pai não é para qualquer um

4d499fd8c5f9f0fee1a7b8a5b7e44595

Não tem sido fácil se pai nestes tempos. Lutar pela sobrevivência pessoal já tem seu sacrifício, ainda mais quando se tem filhos para sustentar. Quando se pensa na responsabilidade de uma vida que é extensão da sua. Quantos pais não pensa inúmeras vezes antes de tomarem uma decisão porque sabe das consequências para quem depende dele. Quando se é pai, realmente se vai além de si, vive-se para o outro.

Muitos não se tornaram pai com o nascimento do filho. Há os que conquistaram o título no exercício da função. Tentando de alguma forma fazer a diferença na vida de outra pessoa e cuidar para que no conhecimento do caminho o “filho” ou “filha” tenha menos tropeços.

Porém, há que se lembrar que o bom pai sabe que quem ele cria não é para si e sim para a vida. O filho vai viver a sua vida e orgulhosamente a paternidade se exalta no aprendizado que se leva como herança da boa relação paterna, também.

Nestes tempos, há muitos pais que às escondidas também choram. A responsabilidade pesa diante de uma crise. Se sentir na obrigação de agir para superar o problema é coisa de um bom pai. Uma crise econômica não leva só a demissão de uma pessoa ou a perda de um empreendimento, há uma família por de trás.

Vale lembrar que mesmo que tudo parece nebuloso e estamos diante de acontecimentos improváveis, é nestas horas que se descobre a importância do que gera o tempero de ser um bom pai, o amor. Não é o bem material dado, o tempo de trabalho dispendido, mas o sentimento presente que mesmo com todas as ausências é o que move um verdadeiro pai. Feliz a todos que sabem ser pai sem ser paternalista.