Covid: é hora e vez dos municípios

(Foto: Reprodução).

“Procure descobrir o seu caminho na vida. Ninguém é responsável por nosso destino, a não ser nós mesmos”. – Chico Xavier

Luiz Claudio Romanelli

Todos temos que extrair uma lição daquilo que acontece com a gente. Vivi o drama da infecção pelo coronavírus, mesmo tomando todos os cuidados sanitários e de distanciamento social. Mesmo vacinado, tive sintomas moderados e senti os efeitos que a infecção provoca. Foram 19 dias de tratamento – 11 deles, hospitalizado.

Esta experiência reforçou meu entendimento de que a Covid-19 realmente não é uma doença simplória. Não se trata de uma gripezinha. Não é mimimi. O número de mortes que ela provocou é retrato fiel do mau que faz. No Brasil, choramos 500 mil vítimas. No Paraná, foram 30 mil vidas perdidas.

Não é o negacionismo patrocinado pelo governo federal que resolverá o problema. Não é a imunidade de rebanho que salvará vidas. Ao contrário. O risco é que esta medonha estratégia, fortemente defendida pelo presidente Jair Bolsonaro e seus asseclas, acelere o número de mortos.

É cada vez mais evidente que quem deveria proteger a vida dos brasileiros nunca acreditou na única forma eficaz de combater a Covid e sabotou a vacinação. A compra de imunizantes só ocorreu em função da necessidade de um contraponto político, logo após o governador João Dória viabilizar a Coronavac.

A soma de erros, desmandos e incompetência nos conduziu ao desastre e não adianta esperar uma mudança de rumo. De um lado, porque não há remédio para a esquizofrenia que assola o governo da União. De outro, em razão da politização da pandemia. Trata-se de mais um caso que tentam resumir ao “nós contra eles”.

É necessário reconhecer que o governo federal deseduca e desorienta. Estimula que o vírus circule. Dali não dá para esperar mais nada. Os governos estaduais seguem correndo atrás de dar assistência médico-hospitalar ao crescente número de doentes. Mesmo com a vacinação, é um trabalho como enxugar gelo porque a medicação chega a conta gotas.

Tomemos o caso do Paraná: são quase 80 mil novos registros de infecção entre 18 e 24 de junho, de acordo com o boletim epidemiológico da Secretaria de Estado da Saúde. A taxa de transmissão (RT) bateu em 1,43. É a maior do País, conforme o portal Loft.

O agravamento do quadro fez o governo estadual anunciar uma nova metodologia de distribuição de vacinas. A intenção é imunizar 80% dos adultos até agosto e equilibrar a vacinação por faixa etária, superando as diferenças entre municípios.

O que observamos, contudo, é que, mesmo com a vacinação, a taxa de transmissão continua acelerada. Os imunizantes em uso no Brasil, apesar de boa eficácia, não conseguem frear a proliferação do vírus, que continua circulando muito forte, infectando cada vez mais pessoas, matando muita gente e pressionando o sistema de saúde.

Em razão da situação atual, avalio que os municípios precisam assumir um protagonismo maior no enfrentamento da pandemia. As pessoas vivem nas cidades e é ali que deve haver o fortalecimento das ações. Cabe aos gestores locais buscar o apoio necessário para proteger as suas populações.

Os municípios conseguem monitorar os moradores, podem promover o isolamento de infectados, incentivar medidas sanitárias, o uso de máscara e adotar o isolamento social, se necessário, além de ter condições de realizar testagem em massa. Tudo isso ajudaria a diminuir os índices de contaminação.

O Paraná pode, de forma pioneira, estabelecer metas de redução da transmissão se atuarmos em conjunto. É possível criar um ranking, com base em indicadores de eficácia, que classifique os bons resultados e exemplos locais e que inspire todas as cidades a adotar as boas práticas de prevenção.

O fato concreto é que precisamos rever as formas de combater a pandemia até que a vacina alcance a totalidade da sociedade. Cada município tem que passar a ter controle absoluto do seu território em relação à doença. Isso só pode ser feito por quem está lá.

Minha experiência com a Covid também foi um tempo de reflexão. Se a estratégia atual não mudar, seguiremos somando doentes. Não dá mais para ficar assistindo como passageiros que outras pessoas continuem embarcando para a morte.

Luiz Claudio Romanelli, advogado e especialista em gestão urbana, é deputado estadual e vice-presidente do PSB do Paraná

0 COMENTÁRIOS

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse.

Ao prosseguir você concorda com nossos termos de uso.