Foco na educação

Santa Catarina recebeu nesta temporada de verão uma quantidade expressiva de turistas em relação aos outros anos. De acordo com os dados do Governo do Estado, mais de 5,5 milhões de visitantes circularam pelo litoral e interior nesta temporada. Esse contingente é formado por estrangeiros, paranaenses, gaúchos, paulistas, catarinenses e outras pessoas que vieram atraídas pelas belezas naturais, pelas praias paradisíacas e pela hospitalidade da nossa gente.

Durante a temporada muitos assuntos ganham relevância. Entre eles está a balneabilidade. O monitoramento e a divulgação das condições das praias para banho são ações executadas pela Fundação do Meio Ambiente (Fatma) há 40 anos, conforme as normas da Resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama). Somos um dos únicos estados brasileiros que oferecem o serviço aos banhistas, garantindo a opção de escolha das praias pelos usuários. Infelizmente, nem sempre damos notícia positiva, mas cabe a Fatma divulgar com imparcialidade o resultado dos 211 pontos analisados em todo o litoral.

Os locais impróprios levam-nos hoje a uma pausa para reflexão. A falta de condições de balneabilidade, na maior parte dos casos, é decorrente do despejo de esgotos domésticos nas galerias pluviais ou da falta de adequação às redes sanitárias. Todo este material acaba em um mesmo local: o mar. O responsável pela ligação é o próprio usuário, aquele mesmo que vai utilizar as praias para o lazer ou o comércio. Falta a esta pessoa a consciência de que seu ato terá repercussão diretamente no meio ambiente.

Exemplos da falta de conscientização ambiental estão dispersos na nossa sociedade. Está na compra de produtos envoltos em diversas embalagens plásticas que serão descartadas após abertos, está na falta de separação dos resíduos, está no desperdício de água e no consumo excessivo de luz. Ter consciência ambiental não é exclusividade de grandes corporações que têm a obrigação de compensar à natureza pelos recursos que dela utiliza. É responsabilidade de cada um, em pequenos atos.

A Fatma promove ações que motivam à educação ambiental e o destaque está com o Eco-ônibus, que circula o Estado há 10 anos distribuindo material e dando noções de como viver em sintonia com o meio ambiente. As orientações chegam para mais de 10 mil crianças por ano. A educação da nova geração será um passo importante para minimizarmos os erros cometidos pelas gerações passadas e garantirmos um ambiente saudável no futuro.

Alexandre Waltrick Rates

Presidente da Fundação do Meio Ambiente – Fatma

0 COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta