Warning: mysqli_real_connect(): (HY000/1129): Host '172.30.0.88' is blocked because of many connection errors; unblock with 'mysqladmin flush-hosts' in /var/app/current/www.vvale.com.br/wp-content/db.php on line 1272 1960: Jânio Quadros em Porto União/União da Vitória

1960: Jânio Quadros em Porto União/União da Vitória

Jânio Quadros foi o 22º presidente do Brasil – de 31 de janeiro de 1961 a 25 de agosto de 1961. Sucedeu Juscelino Kubitschek de Oliveira.

Em 1960, ainda adolescente, me lembro bem da movimentação do comício de Jânio Quadros em Porto União/União da Vitória.

A concentração da população foi na Praça Hercílio Luz e Jânio Quadros fez seu esperado discurso, estranho para mim, certamente pela pouca idade e falta de conhecimento que tinha da situação política do país, mesmo porque o discurso do candidato era sempre meio no grito…

Um detalhe que nunca esqueci: a maioria dos eleitores de Porto União defendia a candidatura do Marechal Lot e em União da Vitória a maioria defendia a candidatura de Jânio Quadros.


O Governo de Jânio Quadros

(Acervo Ivo Dolinski)

Jânio Quadros ascendeu à presidência do governo brasileiro em 1961 eleito com 5,6 milhões de votos e apoiado pela UDN (União Democrática Nacional). Este partido era de centro-direita e aliado com as políticas dos Estados Unidos.

Como vice-presidente foi eleito João Goulart, que nasceu em 1918 e faleceu em 1976, oriundo do PTB, na chapa denominada “Jan-Jan”.

O cenário do Brasil era de crise, pois o governo de Juscelino Kubitschek (1956-1960) deixou o país com a economia desestruturada, inflação e a dívida externa maior.

Para conter estes problemas, Quadros congelou salários, desvalorizou a moeda nacional e restringiu o acesso de fundos de crédito, como tentativa de equilibrar a economia.

Quanto ao cenário externo, o mundo vivia a Guerra Fria (liderada pelas duas superpotências mundiais – EUA capitalista e a URSS socialista). Deste modo, Jânio permaneceu numa posição neutra e, muitas vezes, sendo pragmático e privilegiando os interesses econômicos.

A despeito de ser considerado conservador e anticomunista, esta posição não refletiu na política externa de Jânio Quadros. Aproximou-se de nações socialistas como CubaChina e URSS.

Em 1961, participou da entrega da “Grã-Cruz do Cruzeiro do Sul”, a mais alta condecoração do governo brasileiro a Che Guevara, líder do movimento socialista na América Latina. Este gesto provocou críticas da direita brasileira.

Foi um líder carismático das massas, tentando aproximar-se do povo usando ternos escuros, nos quais deixava cair caspa a fim parecer mais popular.

Embora possuísse certa inclinação autoritária, Jânio auxiliou na consolidação do regime democrático no país, atacando várias vezes a elite, em defesa das camadas populares.

Seguindo esta linha, suas ações foram um tanto controversas como a proibição do uso de biquínis nas praias; suspensão das rinhas de galo e a interdição do uso de lança perfume. Isso demonstrou fragilidade nas metas do plano político proposto, afastando, assim, a população e com o tempo, o presidente foi perdendo sua popularidade.


A renúncia de Jânio Quadros

Com efeito, após perder apoio dos militares e com a pressão de Carlos Lacerda, líder da UDNJânio renunciou no dia 25 de agosto de 1961.


O breve mandato de Jânio Quadros

Seu mandato presidencial foi um dos mais breves (quase sete meses) na história da presidência do país. O cargo posteriormente foi assumido pelo vice-presidente João Goulart.

Mas Goulart não se consolidou como presidente, com o país passando a viver momentos conturbados, ocorrendo, por imposição de milhões de brasileiros, da necessária intervenção militar.

*Leia a coluna completa em www.jornalocomercio.com

0 COMENTÁRIOS

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse.

Ao prosseguir você concorda com nossos termos de uso.