Impacto da pandemia no Ensino Superior do Vale do Iguaçu

Participaram desta reportagem representantes da Uniguaçu, Uniuv, Campus de União da Vitória da Unespar e IFPR e a UnC de Porto União; unidades estão empenhadas para minimizar os danos da crise sanitária à comunidade escolar

(Foto: ABMES).
(Foto: ABMES)

O ambiente das instituições do Ensino Superior do Vale do Iguaçu se aquietaram em 2020. Desde março, não há movimento de carros, tampouco de pessoas pelos arredores. Com a emergente pandemia da Covid-19, as unidades do mundo inteiro precisaram se reinventar para continuar o trabalho educacional.

A pandemia afetou os sistemas educacionais em todo o mundo, levando ao fechamento generalizado de escolas, universidades e faculdades. Em 12 de abril, aproximadamente 1,716 bilhão de alunos foram afetados devido ao fechamento da escola em resposta à pandemia.

Segundo o monitoramento da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), 188 países implementaram fechamentos em todo o país e 5 implementaram fechamentos locais, impactando cerca de 99,4% da população estudantil do mundo.

Enquanto a pandemia do novo coronavírus avança a passos largos, as instituições refletem sobre o atual momento e sobre como será a volta aos bancos escolares.

Muitas, deram uma pausa no ensino presencial, o que deu abertura para alternativas que minimizassem os danos da crise sanitária à comunidade escolar. As instituições de ensino tiveram liberdade para adotar medidas que melhor se encaixassem à sua realidade de pessoal e de infraestrutura.

O próprio Ministério da Educação (MEC), por meio da portaria nº 343, publicada em 18 de março, autorizou a chamada EAD – Educação a Distância, em cursos presenciais, enquanto durar a pandemia. Instituições de ensino superior de outros países, como Alemanha e EUA, também migraram para o formato digital.


A reportagem da CBN Vale do Iguaçu conversou no decorrer desta semana – 13 a 17 de julho, com os representantes das instituições de União da Vitória e Porto União, que apresentaram os impactos da pandemia no Ensino Superior.

Participaram o vice-reitor do Centro Universitário Vale do Iguaçu (Uniguaçu), Mateus Cassol Tagliani, reitor do Centro Universitário da Cidade de União da Vitória (Uniuv), Alison Frantz, diretor do Campus União da Vitória da Universidade Estadual do Paraná (Unespar), Valderlei Garcia Sanches, diretora geral do Campus União da Vitória do Instituto Federal do Paraná (IFPR), Patrícia Cambrussi Bortolini e a diretora do Campus de Porto União, da Universidade do Contestado (UnC), Ana Claudia Flenik.

Os educadores – sem hesitar, comentaram sobre as adaptações pessoais e coletivas com relação a pandemia, e citaram o engajamento da comunidade escolar.

(Arte: Ricardo Silveira).
(Arte: Ricardo Silveira)

Centro Universitário de União da Vitória - Uniuv. (Foto: Assessoria).
Centro Universitário de União da Vitória – Uniuv. (Foto: Assessoria).

UNIUV: “Nos adaptamos à essa nova realidade, sempre com pensamento de proteção a vida”

O reitor do Centro Universitário da Cidade de União da Vitória, Alison Frantz, reafirma a adaptação com a crise sanitária. Acredita na importância em dar continuidade aos estudos, mesmo em tempos de coronavírus.

Esclarece que todas as medidas adotadas pela Instituição foram consultadas junto ao jurídico e através de portarias do MEC.

A Uniuv transferiu suas atividades presenciais para remotas.

Inclusive já dispomos de turma no regime semipresencial e, portanto, já contávamos com uma estrutura preparada. O importante é não aglomerar”.

Reitor da Uniuv, Alison Frantz
Reitor da Uniuv, Alison Frantz

Na parte pedagógica, a instituição manteve os mesmos horários das aulas para turmas e professores, estabelecidas no início do ano.

“Nos últimos três anos a modalidade de ensino presencial vem sofrendo queda acentuada, sendo de 10 a 15%.  A tendência, na minha opinião, será a migração para o semipresencial e educação à distância”.

Uniuv origemA Uniuv contabilizou até o momento 17 cancelamentos de matrículas por conta da pandemia.

“Embora haja a disposição os programas sociais, a desistência é momentânea e foi de alunos que apresentaram instabilidade financeira e que preferem aguardar e retornar quando tudo normalizar”.

O reitor garante que é um momento para reinvenção para não comprometer o calendário escolar.

RECEITAS:

99% provém das mensalidades;
demais recursos, através de serviços de consultorias.


IFPR Campus União da Vitória. (Foto: Ricardo Silveira).
IFPR Campus União da Vitória. (Foto: Ricardo Silveira).

IFPR: “Inclusão digital é o maior desafio”

A diretora geral do Campus União da Vitória do IFPR, Patrícia Cambrussi Bortolini, comenta que a instituição – considerada a mais nova entre as demais, com início das atividades em 2015, no bairro São Braz, necessitou de adaptação da estrutura pedagógica em razão da pandemia. Admite que todas as ações adotadas pela instituição vieram de um porta-voz do MEC e do Ministério de Saúde.

De março até maio, a instituição que é pública e gratuita, analisou a viabilidade para as ações remotas, sendo colocadas em prática no mês de junho.

A preocupação do Instituto se deu por meio da necessidade de construir uma política de inclusão digital para estudantes e professores.

“Adotamos o sistema *Google Classroom para facilitar a comunicação entre professores e alunos para que o calendário escolar de 2020 não necessitasse de interrupção”.

Diretora geral do Campus União da Vitória do IFPR, Patrícia Cambrussi Bortolini
Diretora geral do Campus União da Vitória do IFPR, Patrícia Cambrussi Bortolini

O Governo do Estado do Paraná disponibilizou ao Instituto o programa de bolsa de inclusão digital aos alunos em vulnerabilidade social, para que tenham acesso à internet. A medida será implantada em agosto. Também criaram a campanha “IF Solidariedade” para cooperar com as famílias de baixa renda, por meio da entrega de cestas básicas, materiais de higienes, entre outros.

Bortolini não descarta a implantação do ensino híbrido em sala de aula, após a pandemia.

“Experiências coletivas de impacto sempre tiveram o poder de remodelar o mundo. Considerada tendência na área da educação para o futuro, o ensino híbrido  – que é a mistura entre o ensino presencial e o online, prevê um mix entre a sala de aula convencional e os conteúdos produzidos com apoio de ferramentas de tecnologia”, explica.

Comenta ainda que as medidas adotadas pelo Instituto pendem à manutenção da vida, saúde física e mental acadêmica e de suas famílias.

“Por isso há necessidade de muito diálogo e cooperação”.

Ifpr origemCom oferta de ensino para Técnicos Integrados – Informática e Superior em Tecnologia – Análise e Desenvolvimento de Sistemas, a direção do campus de União da Vitória acredita que a concorrência de alunos por vaga tende a aumentar consideravelmente nos próximos anos, como já vem ocorrendo.

O campus adiou, ainda sem data definida, a formatura de três turmas

RECEITAS:

Governo Federal com repasse do MEC, sendo dividido aos 26 campus do IFPR no Paraná.


Centro Universitário Vale do Iguaçu - Uniguaçu. (Foto: Assessoria).
Centro Universitário Vale do Iguaçu – Uniguaçu. (Foto: Assessoria).

Uniguaçu: “Lançou planos solidários aos acadêmicos”

O vice-reitor da Uniguaçu, Mateus Cassol Tagliani, admite que é um momento difícil, porém de aprendizado. Garante que a logística da unidade de ensino sofreu alterações, porém se mantém otimista.

Conta que em quase 20 anos de história, esta é a primeira vez que a Uniguaçu suspendeu o ensino presencial e migrou para o ensino remoto. Embora acreditem que a modalidade presencial ainda tenha mais força.

“A população hoje quer se qualificar, independente se na modalidade presencial ou à distância. Se apresentarmos desistências de alunos, no decorrer da pandemia, creio que será momentânea. É uma observação natural por conta do cenário econômico que o Brasil e o mundo vivenciam”.

Vice-reitor da Uniguaçu, Mateus Cassol Tagliani
Vice-reitor da Uniguaçu, Mateus Cassol Tagliani

Segundo o  educador, praticamente todas as universidades do País adotaram planos solidários à seus estudantes.

“Há estudos que comprovam sobre o status de vida que o ensino superior dá. A determinação para vagas de trabalho não acontece por falta da qualificação do cidadão, mas sim, pela ausência do ensino superior. A pandemia fez todo o cenário da educação repensar suas metodologias de ensino e ao retornar à modalidade presencial possam levar um olhar diferenciado”.

Uniguaçu origemO reitor compartilha que mesmo na pandemia não houveram cortes para investimentos no espaço físico, como nos laboratórios e bibliotecas.

Adquiramos também um laboratório de realidade virtual, que será inaugurado em breve”.

Tagliani acredita ainda que os profissionais da saúde em formação na instituição posam cooperaram com a população do Vale do Iguaçu. Para isso, instituíram a Brigada Covid-19 com discussões sobre as demandas locais diante da pandemia.

RECEITA

100% das mensalidades.


Unespar de União da Vitória. (Foto: Ricardo Silveira).
Unespar de União da Vitória. (Foto: Ricardo Silveira).

Unespar: “Efeitos expressivos no início, porém estamos nos adaptando”

De acordo com o diretor do campus de União da Vitória da Unespar, Valderlei Garcia Sanches, em razão da pandemia a instituição reduziu seu quadro de funcionários, mantendo presencialmente apenas o setor administrativo. Demais funcionários, assim como a comunidade acadêmica, seguiram com as atividades remotas.

A Unepsar também atende as recomendações das autoridades da saúde e Ministério da Educação.

“Muitos dos afazeres são definidos por meio de conferências virtuais, de maneira a preservar o próximo, mantendo o distanciamento social. O que se quer é colaborar para minimizar os efeitos da pandemia”.

Diretor do campus de União da Vitória da Unespar, Valderlei Garcia Sanches
Diretor do campus de União da Vitória da Unespar, Valderlei Garcia Sanches

A universidade já anunciou que as aulas presenciais só devem retomar em janeiro de 2021.

A decisão foi apresentada pela Comissão de Avaliação e Planejamento de Ações de combate à disseminação do novo coronavírus no âmbito da Universidade. As discussões acontecem em conjunto com especialistas da saúde pública.

A Comissão, criada no dia 10 de junho, é composta por membros de todos os campi da Unespar e tem como objetivo discutir estratégias e possibilidades para a organização das atividades na Unespar no pós-pandemia.

Segundo o planejamento da comissão, as atividades para alunos de graduação seguem ministradas virtualmente.

Unespar origemTambém, houve a suspensão do calendário do Vestibular 2021. A decisão foi tomada após sessão do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe).

De acordo com nota divulgada pela Comissão Central de Concurso Vestibular (CCCV), ainda não é possível estabelecer um novo calendário porque as datas do vestibular são definidas de acordo com o calendário escolar do ensino médio e de forma que não coincidam com outros processos seletivos ou com o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

A Unespar também em 2020 não realizou eleições para direção.  No entanto, Valderlei permanece no mandato.

Não podemos fazer uma eleição neste momento. É a primeira vez na história que ela não acontece”.

RECEITA:

Governo do Estado do Paraná e aluguéis da cantina e espaço para fotocópias, no mesmo prédio da universidade; e no Morro do Cristo espaço locado para antena de comunicação.


Universidade do Contestado - Campus Porto União. (Foto: Reprodução).
Universidade do Contestado – Campus Porto União. (Foto: Reprodução).

UnC: “Vai comemorar seus 50 anos sem festa”

A diretora do Campus de Porto União, da UnCAna Claudia Flenik, lembra que a instituição comemora em 2020, seus 50 anos de fundação. No entanto, não terá festa.

“A pandemia impactou vários setores da UnC. É claro que gostaríamos de festejar o aniversário da instituição com eventos presenciais e com forte participação da sociedade, mas isso não será possível”.

De acordo com ela, os impactos no cenário da educação ainda serão apresentados.

A suspensão das aulas em Porto União aconteceu no dia 17 de março. Desde então, implantaram as plataformas digitais com autorização do MEC, para o ensino à distância.

“Os professores foram capacitados em razão de cursos realizados no primeiro semestre na instituição”.

Diretora do Campus de Porto União, da UnC, Ana Claudia Flenik
Diretora do Campus de Porto União, da UnC, Ana Claudia Flenik

Além de Porto União, a modalidade de ensino remoto também foi implantada em Canoinhas, Concórdia, Curitibanos Mafra e Rio Negrinho.

“Porém algumas turmas necessitaram manter as aulas presenciais, porém mantendo o protocolo de combate a doença respiratória, como o uso de máscaras, álcool gel e o distanciamento social.

A UnC manteve as atividades do Núcleo de Práticas Jurídicas e a Clínica de Psicologia,com atendimento à população carente.

“O curso de psicologia mantém um cronograma de atendimento à população em casos de desastres e neste caso, da pandemia também; com sigilo da identidade de seus pacientes”.

A pós-graduação de Investigação Criminal, Processo Civil e Tributos aguardam data para retorno no modelo presencial, a pedidos dos matriculados.


* A diretora da UnC foi a única entre os convidados que não conseguiu participar das entrevistas, ao vivo, por telefone, realizadas pela CBN Vale do Iguaçu. Ela teve um imprevisto familiar. Em razão disso, a reportagem entrou em contato com o setor de comunicação da instituição, em Concórdia. Até o momento, os dados como o número de estudantes e a receita da universidade não foram repassados.

* A CBN Vale do Iguaçu desde o início da pandemia vem realizando as entrevistas por telefone para manter o distanciamento social, conforme orientação dos setores da saúde. 


Temor

Em abril, as escolas e instituições de ensino superior privadas se mostraram temerosas com a possível aprovação de lei que obrigue as particulares a reduzirem as mensalidades durante a suspensão das aulas para conter o avanço do novo coronavírus. Em manifesto assinado por diversas entidades representativas do setor privado, as escolas defendem a negociação individual – que é o que tem ocorrido no Vale do Iguaçu.

De acordo com as entidades, o setor privado atende atualmente 15 milhões de alunos, além de empregar 1,7 milhão de trabalhadores, dos quais, 800 mil são professores. As instituições têm buscado alternativas para seguir prestando o serviço, segundo o manifesto.

Tanto a Câmara dos Deputados quanto o Senado Federal, além das assembleias legislativas estaduais, discutem projetos para reduzir, durante a pandemia de covid-19, as mensalidades cobradas das famílias dos estudantes.

No geral, os parlamentares defendem que há famílias que estão passando por dificuldades financeiras, também impactadas pelo isolamento social, fechamento de comércios e outras medidas tomadas para evitar a propagação do novo coronavírus, e que as instituições de ensino teriam reduzido os gastos já que as aulas presenciais estão suspensas. Essa economia, na avaliação dos parlamentares, deveria ser repassada aos estudantes.

Também em nota, o Semesp, entidade que representa mantenedoras de ensino superior do Brasil, diz que alguns gastos – como produtos de limpeza e consumo de água e luz – diminuíram, entretanto, custos com tecnologia aumentaram no período para dar conta das demandas online.

(Fonte: Agência Brasil) 


Universidade Positivo demite

Segundo o Sindicato dos Professores de Ensino Superior de Curitiba e Região Metropolitana (Sinpes) a Universidade Positivo demitiu no dia 16 de julho, 60 professores por meio de reuniões on-line. Os representantes da categoria informaram que receberam denúncias de profissionais demitidos, que relataram que a universidade pretende fechar cursos presenciais de licenciatura.

De acordo com o sindicato, os profissionais demitidos disseram que não haverá mais aulas presenciais nas graduações de Ciências Biológicas, Educação Física, Pedagogia, Química, Matemática e Física. Ainda conforme a categoria, a universidade esperou que passasse a data limite de entrega das notas dos estudantes, no dia 15, para divulgar as demissões. O Sindicato disse que está reunindo as informações necessárias sobre as denúncias e que fez um pedido de mediação ao Ministério Público do Trabalho (MPT).


Smartphones para estudantes

As universidades estaduais do Paraná vão distribuir 3.200 smartphones doados pela Receita Federal, habilitados com pacotes de dados (3G/4G), para estudantes com vulnerabilidade socioeconômica, matriculados em cursos de graduação presencial. A medida tem como objetivo apoiar os alunos para que acompanhem as atividades remotas das instituições de ensino superior neste período de pandemia.

Os equipamentos são oriundos de apreensões em operações de combate ao contrabando e somam o valor de R$ 2 milhões. Neste momento, as contempladas serão: Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) foi contemplada com 300 aparelhos, A ESTADUAL DO PARANÁ (UNESPAR) RECEBEU 1.200, a de Maringá (UEM) recebeu 450 celulares, a do Oeste do Paraná (Unioeste) recebeu 80, a Estadual do Norte do Paraná (UENP) recebeu 901 aparelhos e a do Centro-Oeste (Unicentro) recebeu 300 celulares.


RODA PÉ

*Google Classroom: é um sistema de gerenciamento de conteúdo para escolas que procuram simplificar a criação, a distribuição e a avaliação de trabalhos. Ele é um recurso do Google Apps para a área de educação e foi lançado o para o público em agosto de 2014.

0 COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta