“Ainda estamos de joelhos, tentando se recuperar”, diz empresária

Comerciantes e empresários de União da Vitória organizam manifestações contra lockdown

O anúncio do governo do Paraná, de suspensão de atividades não essenciais a partir deste fim  semana, provocou a mobilização de representantes do comércio e do setor produtivo.

Através das redes sociais comerciantes e empresários do Vale do Iguaçu contrários ao lockdown organizaram uma carreata para mostrar indignação ao decreto divulgado pelo Governado do Paraná e seguido pela Administração de União da Vitória. A manifestação aconteceu na tarde deste domingo, 28.

Munidos com alguns cartazes e a bandeira verde amarela, eles demonstraram insatisfação pelos decretos.

A carreata começou no encontro entre as Avenidas Manoel Ribas e Bento Munhoz, depois percorreu as principais ruas da cidade.

Uma empresária ouvida pela reportagem, comentou que a maioria dos comerciantes são contrários a esse novo decreto. “Nós comerciantes somos os que mais nos cuidamos, e prezamos pela saúde de nossos clientes”.

Segundo eles, o problema está nas festas particulares e clandestinas que estão acontecendo. Inclusive eles pedem um reforço na fiscalização destes locais. “Se nós fechamos, prejudicamos várias outras pessoas. Atrasamos os pagamentos de funcionários e boletos”.

Eles também comentam sobre a situação econômica enfrentada por todos. “Ainda estamos de joelho tentando se recuperar, vamos sentir os reflexos mais uma vez”, desabafa.

 

A manifestação foi pacifica e teve mais de 100 veículos participantes. A PM esteve no local garantindo a segurança.

Outras cidades e capitais brasileiras realizaram manifestações semelhantes.

Santa Catarina

Em Santa Catarina um decreto também oriundo do governo suspendeu as atividades não essenciais neste final de semana (27 e 28 de fevereiro) e no próximo entre os dias 6 e 7 de março.

Existe a expectativa de uma nova manifestação do governador Carlos Moíses neste domingo, que pode modificar o novo decreto.

 

 

 

0 COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta