Clubes ingleses oficializam saída do projeto da Superliga Europeia

A polêmica envolvendo a criação da Superliga Europeia causou baixas importantes nesta terça-feira, apenas dois dias após o anúncio da controversa competição de clubes da elite do continente. Manchester City, Manchester United, Liverpool, Arsenal e Tottenham anunciaram oficialmente que vão deixar o projeto.

O primeiro foi o City, que postou um breve comunicado nas redes sociais. “O Manchester City Football Club confirma que promulgou formalmente os procedimentos para se retirar do grupo que desenvolve os planos para a criação da Superliga Europeia”, anunciou.

Os clubes ingleses estavam entre os 12 clubes fundadores que anunciaram a criação do novo torneio no domingo. Desde o anúncio, as equipes vêm sendo alvos de constantes críticas pelo sistema adotado pelo torneio e pela forma como foi criado, à margem da Uefa, maior detratora da competição.

O maior ataque de jornalistas, comentaristas e torcedores é o formato adotado, com a participação fixa de 15 times, os fundadores, sem qualquer possibilidade de rebaixamento ou acesso. O formato de “clube fechado” foi atacado até mesmo pelo próprio técnico do City, Pep Guardiola.

“Esporte não é esporte quando a relação entre esforço e recompensa não existe. Não é um esporte se o sucesso está garantido ou se não importa quando você perde. Já disse muitas vezes que quero uma ‘Premier League’ (Campeonato Inglês) de sucesso, não apenas um time no topo”, afirmou Guardiola, nesta terça, em comparação com a competição nacional.

A saída do City foi comemorada pelo presidente da Uefa, Aleksander Ceferin. “Estou muito feliz por dar as boas-vindas de volta ao City em nome da família do futebol europeu”, declarou. “Eles mostraram muita inteligência em ouvir as muitas vozes – principalmente dos seus torcedores – que expuseram os benefícios vitais do nosso atual sistema para todos do futebol europeu.”

A forte e rápida repercussão negativa do lançamento do torneio fez Manchester United, Liverpool, Arsenal e Tottenham tomarem o mesmo caminho do City. Eles soltaram um comunicado juntos, nas redes sociais, às 18h55. O Chelsea não oficializou, mas deve fazer o mesmo.

Horas antes, os próprios jogadores do Liverpool fizeram pressão sobre a diretoria com um comunicado conjunto repudiando a participação na Superliga. “Nós não gostamos disso e não queremos que aconteça. Esta é a nossa posição coletiva. Nosso compromisso com este clube de futebol e com seus torcedores é absoluto e incondicional. Você nunca andará sozinho”, escreveu o volante e capitão Jordan Henderson, dos mais identificados com a torcida, finalizando com o lema do clube (“You Will Never Walk Alone”). O post foi replicado por outros jogadores importantes do elenco, como os laterais Andy Robertson e Trent Alexander-Arnold e o goleiro brasileiro Alisson.

Atlético de Madrid, Barcelona e Real Madrid, da Espanha, e Inter de Milão, Juventus e Milan, da Itália, ainda continuam na Superliga. Mas, segundo a imprensa europeia, o Milan já teria decidido sair.

0 COMENTÁRIOS