Jornalista Catarinense transforma bullying que sofreu em história de superação

A também escritora Vanessa Bencz é referência pelo País através de palestras sobre o combate ao bullying e ao preconceito. Ela é natural de Joinville

Hoje ela é muito descolada. É falante. É de muita personalidade. Vanessa Bencz é possuidora de inúmeros adjetivos de uma pessoa de sucesso. Talvez nem ela imaginaria o quão alto degrau poderia chegar.

Na infância, Vanessa sofreu bullying. Foi chamada de “burra, avoada, e tantos outros”. Levantar a cabeça foi importante. Hoje, aos 34 anos, ela é uma palestrante de referência em temas como combate ao bullying e ao preconceito. As humilhações sofridas viraram história de superação para salvar jovens em perigo.

Natural de Joinville (SC), Vanessa sofria na escola e em casa pelas notas baixas, após diagnóstico de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). Fã da escritora Marina Colasanti, Vanessa tinha admiração por ler e tentar entender as histórias dela.

Vanessa Bencz. (Foto: Arquivo pessoal).
Vanessa Bencz. (Foto: Arquivo pessoal).

“A relação com a escrita começou bem cedo, por conta desse contato, mas só pensei em me tornar escritora aos 18 anos de idade”.

Vanessa também já foi convidada para trabalhar com Maurício de Souza, criador da Turma da Mônica. A recusa para o convite teve uma explicação.

“Escolhi pela paixão de poder impactar a vida de jovens e crianças”.

Hoje ela viaja por todo o Brasil conversando com crianças e adolescentes sobre suas experiências. Até o momento foram 1.400 palestras ministradas por todo o País.

Autora de quatro livros, a catarinense está realizando um financiamento coletivo para publicar a história em quadrinhos Por Enquanto. Esta quinta obra autoral abrange a temática do bullying, tratando da automutilação, depressão na adolescência e suicídio.

“Sou apaixonada pelo que eu faço. O trabalho é voluntário e acredito que pode transformar vidas. Apesar do termo “bullying” ter sido disseminado e banalizado, muitas pessoas continuam despreparadas para lidar com ele”, afirma.

Vanessa criou um projeto de história em quadrinhos chamado Menina Distraída, com tiragem já esgotada. A protagonista, vítima de bullying na escola, é salva por uma super-heroína. Todos os personagens são baseados em histórias reais, que a autora ouviu nas visitas às escolas. Vanessa escreveu a história e ilustrou os quadrinhos.

Bullying no Brasil

O ambiente das escolas brasileiras é duas vezes mais suscetível ao bullying do que a média geral das instituições de ensino em 48 países, segundo dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Os números, revelados em 2017, pela Pesquisa Internacional sobre Ensino e Aprendizagem 2018 (Talis, na sigla em inglês), mostram que o educador no Brasil gasta apenas 67% do seu tempo em sala de aula com o conteúdo didático. Especialistas e professores concordam que os números indicam que a violência física e emocional contra estudantes precisa ser enfrentada de novas maneiras no país. Enquanto isso, iniciativas internacionais são discutidas.

Fonte: O Globo

0 COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta