NA REDE FEMININA: Customização chique

Depois de repaginar roupas jeans e criar uma marca para a reinvenção, voluntárias investem nos trajes caipiras – que de caipira, não tem nada

Peças customizadas já estão à venda: traje é caipira, mas exclusivo  (Fotos: Mariana Honesko).
Peças customizadas já estão à venda: traje é caipira, mas exclusivo
(Fotos: Mariana Honesko).

É um traje para caipiras elegantes, que gostam de bota e jeans. De tão bonito, dá até vontade de usar no cotidiano. Capricho de sobra é o que dá à um simples traje caipira, tons de elegância. É a primeira vez que as voluntárias da Rede Feminina de Combate ao Câncer apostam na customização das peças típicas das festas juninas – e as vendas aquecidas, vem mostrando que a linha já é um sucesso.

Exatamente um ano após o lançamento da marca Rosa Chic (leia mais no quadro), as voluntárias se debruçam sobre as peças caipiras, em uma tentativa de reaproveitar roupas (doadas para o bazar) com algum defeitinho e até tecidos com uso indefinido. Combinados, os resultados são conjuntos completos, decorados com fuxico e rendas colocadas à mão, de maneira artesanal. As peças já estão à venda no bazar e custam, em média, R$ 20 cada uma. “A ideia surgiu devido à carência de ter algo mais moderno.

 

Os jovens não querem mais os vestidinhos tradicionais. Eles querem uma saia mais curta, um terno customizado. Usamos especialmente a parte de cima das calças jeans que vem com algum defeito e que no artesanato, não estava sendo bem aproveitada”, conta a coordenadora do brechó, Telma Lotoski. “Usamos os botões, fitas. Nada é jogado fora. Aqui é uma adrenalina pura para fazer a produção. É uma criatividade em grupo”.

Arraia 3

Em média, cada peça leva cerca de um dia para ser confeccionada. Cada uma é exclusiva. E tem para mulheres, crianças e para homens também. “Temos calças, coletes, gravatas”, sorri Telma. Quem procura pela opção, pode sair do brechó com o traje pronto. É que além das saias ou ternos, por exemplo, o espaço comercializa camisas, sapatos, botas e bijuterias. “Você faz o teu look bem legal”, garante a coordenadora.

O trabalho da Rede é voluntário e toda a venda é revertida para o tratamento dos pacientes de câncer.

Arraia 2

Rosa Chic

Foi no dia 14 de junho de 2018 que a marca foi lançada, oficialmente. A apresentação ao público aconteceu no restaurante do mercado Glória, no centro de União da Vitória. A etiqueta da marca Rosa Chic, desde aquele dia, está presente nas roupas jeans, customizadas pelas voluntárias da Rede. A ideia é reaproveitar peças que chegam como doação e, ao mesmo tempo, valorizar o gesto solidário da comunidade que ajuda à entidade.

O trabalho de customização é feito pelas voluntárias e garante o nascimento de bolsas, de tapetes, de aventais, a partir de blusinhas e calças, por exemplo, com alguma avaria. As peças da marca Rosa Chic também estão disponíveis no bazar. Os preços são variáveis, mas, em média, ficam na casa dos R$ 50.

Serviço
  • O quê
    Venda dos trajes caipiras
  • Onde
    No brechó da Rede Feminina, na rua Coronel João Gualberto (ao lado do INSS de União da Vitória)
  • Quando
    O espaço funciona de segunda à sexta, das 9 às 17 horas, sem fechar para o almoço
  • Investimento
    As peças custam em média, R$ 20

0 COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta