Porto União, 96 anos. O melhor lugar para se viver!

Orgulho de seus moradores, cidade comemora avanços que a levaram ao topo do desenvolvimento

Por Mariana Honesko

Porto União 1
Praça do Contestado é uma homenagem ao conflito que marcou o nascimento da cidade (Mariana Honesko/Jornal O Comércio)

Quem visita Porto União tem a certeza de que está em um dos poucos lugares tranquilos do País. Jardins espaçosos, janelas abertas e o ritmo de uma típica cidade interiorana, são um convite para, pelo menos, um café com amigos na padaria da esquina. O portal que saúda quem chega e quem se vai, traduz o sentimento de um povo acolhedor. Mais do que uma cidade amiga, Porto União comemora avanços, independência e tem nas recentes pesquisas da ONU a certeza de que não vive às sombras de sua irmã, União da Vitória. As mãos continuam dadas, mas é sozinha que Porto União caminha. São esses e outros tantos motivos que tornam a cidade digna de mais uma comemoração.

Como ela chegou ao topo

De acordo com a recente pesquisa feita pela Organização das Nações Unidas (ONU), Porto União está na posição 87 entre os cem municípios brasileiros mais bem colocados no ranking do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). O dado leva em conta a saúde, renda e educação. No estado de Santa Catarina, a cidade está ainda melhor posicionada: na comparação com os 293 municípios, Porto União ocupa o 21º lugar. No Planalto Norte, a cidade dispara na liderança e é a melhor cidade para se viver. “Isso quer dizer que apesar de todas as dificuldades, da baixa arrecadação, ainda aplicamos bem o dinheiro. Quer dizer que cuidamos bem da saúde, da educação e que o povo tem um salário razoável. Isso tudo conta. É confortável saber que aqui é um lugar bom para viver”, avalia o prefeito, Anízio de Souza. “Temos o que comemorar, com certeza”, sorri.

Porto União - 2
Para Martins, investimento para instalação de novas empresas ajuda na economia e contribui com outros setores (Mariana Honesko/Jornal O Comércio)

Um dos grandes impulsos para o alcance de posições de destaque foi o investimento que a indústria sofreu especialmente nos últimos anos. Hoje, 122 empreendimentos estão cadastrados no Centro Empresarial. O apoio aos novos empreendedores, bem como o incentivo para quem já está no mercado, garante o sucesso de um dos locais mais cobiçados por quem visualiza o futuro. O modelo de funcionamento da Área Industrial é referência para outras cidades. “As condições que Porto União dá atrai as outras empresas”, resume o secretário do Desenvolvimento Econômico Sustentável e Meio Ambiente, Christian Martins.

As incubadoras são as mais recentes apostas. Elas permitem a instalação e desenvolvimento de empresas. Depois, quando podem caminhar sozinhas, ganham apoio para os próximos passos. “Já estamos com o projeto para outras cinco delas”, sinaliza Martins. Para ele, é justamente o investimento no setor o que garante bons índices nas pesquisas. “A renda per capita sofre com essa intervenção econômica. O reflexo do investimento na indústria aparece nos números”, avalia.

De fato, aparecem. Na comparação com União da Vitória, por exemplo, a média salarial está bastante elevada. Na cidade irmã, o vencimento fica na casa dos R$ 674, contra R$ 864 praticados em Porto União. “Nós somos um povo só, separados por um trilho, mas que cada vez mais precisa derrubar suas barreiras”, sorri Martins.

Portas abertas para os visitantes

No aspecto turístico, Porto União tem condições que a tornam única e neste aspecto, é a história de nascimento da cidade o que mais chama a atenção. Filha de um dos maiores conflitos nacionais, a cidade fica entre dois estados e tem em seu contexto a participação de grandes personalidades.

É o caso, por exemplo, da visita do então presidente, Getúlio Vargas, que discursou na sacada do extinto Hotel Internacional, na Praça Hercílio Luz. O local ainda é admirado mas, para os profissionais do ramo, Porto União vai muito além. “Quem visita se interessa muito pela questão geográfica, mas temos ainda as nossas etnias e os saberes delas. Muitos ainda trabalham com o artesanato, a gastronomia. Isso é algo que atrai muito”, avalia a turismóloga Marivanda Pigatto, que desde 2001 trabalha com os atrativos da cidade. Para ela, Porto União “vende” e conquista com qualidade. Na cidade, contudo, o turismo não é de massa, antes, de quem busca pelo aconchego e pela interação. “As pessoas visitam e querem interagir com quem mora, querem viver um pouco no mesmo ritmo”, explica Marivanda.

Ele já sabia que a terra era boa

Em 1860, Prudente de Brito tinha certeza de que Porto União poderia se tornar seu lar. As informações sobre o primeiro morador da cidade são limitadas, porém, sua história rendeu uma homenagem pública, liderada pela Academia de Letras Vale do Iguaçu (Alvi) e pela prefeitura. Na Praça Nereu Ramos, no centro, o artista Ivay Detlef Will assina a arte que marca a escolha de Brito.

“Ele veio para a cidade porque aqui passavam as tropas com o gado. Como o rio estava cheio algumas vezes, as tropas precisavam parar. Prudente de Brito montou uma casa de comércio. Ele servia refeições e o local servia também como pousada para os tropeiros”, explica o ex-presidente da Alvi, Raulino Bortolini.

Na cidade, Brito, popularmente chamado de “Prudentão”, por ser um homem bastante forte, ajudou na construção da igreja católica. A primeira teria sido derrubada pelo vento e a segunda, erguida já com a ajuda de outros moradores. Prudente de Brito seria natural de Palmas (PR) mas, como tantos outros moradores, adotou Porto União como sua casa.

Bem-vindo à Porto União!

porto-união-montagem-passado-presente
Onde fica Porto União/ Bruna Kobus/ Arte: Renan Senff

A história da cidade remonta ao ano de 1842, quando o vau do Rio Iguaçu, que facilitava a passagem das tropas que vinham de Palmas, foi descoberto. Na época, cerca de dois quilômetros de cabeças de gado podiam ser vistas. Em média, 500 animais percorriam o trecho. Em 1855, o primeiro povoado havia sido criado, mas foi nos conflitos do Contestado que Porto União teve maior destaque. A cidade se tornou um dos pontos estratégicos para as tropas federais que chegavam pela estrada de ferro São Paulo/Rio Grande.

No dia 5 de setembro de 1917, por meio de um acordo de limites entre os estados do Paraná e Santa Catarina, as cidades irmãs foram divididas e Porto União ganhou sua independência: nascia, há 96 anos, a Cidade Amiga.

Viva a Terceira Idade!

Quem vive melhor, vive mais. Em Porto União, os reflexos de uma economia diversificada mas estável, garante também vida longa. A cidade ocupa a sétima posição no ranking nacional entre as cidades com maior expectativa de vida.

Que tal fazer uma visita?

Casa Cultura Aníbal Khury

A entrada é franca, mas precisa ocorrer no horário de abertura ao público. Informações: 3522 9280.

IMG_6611
Praça Hercílio Luz (Bruna Kobus/Jornal O Comércio)

Na Rua Sete de Setembro, no centro de Porto União. O local está interditado mas sua reabertura está prevista para novembro.

– Praças Hercílio Luz e Contestado

No centro, com espaço para crianças e um convite para uma foto ao lado da réplica em bronze, do monge João Maria.

Fotos: Bruna Kobus/Jornal O Comércio

“Eu escolho ser feliz aqui”

Porto União - Antônio Rikaczavski

 

 

“É uma cidade boa e melhorou muito. Está crescendo, melhorando”, do autônomo Antônio Rikaczavski.

 

 

Porto União - Cristina Moser

 

“Porto União tem um povo bom. É acolhedor, amigo, trabalhador”, da professora aposentada Cristina Moser, moradora da localidade de São Martinho.

 

Porto União - Victor Prust

 

 

“Eu amo Porto União”, do aposentado Victor Prust.

0 COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta