Sebrae/PR levou empreendedorismo para quase 20 mil estudantes na Regional Sul

Trinta municípios do sul e do sudoeste do Paraná aplicam a metodologia criada para desenvolver as habilidades empreendedoras nos jovens

(Foto: Assessoria).
(Foto: Assessoria).

Dos 51 municípios que integram a Regional Sul do Sebrae/PR, que abrange o sul e o sudoeste do Estado, 30 aderiram ao programa de Educação Empreendedora do Sebrae/PR. O relatório referente a 2018 mostra que o Jovens Empreendedores Primeiros Passos (JEPP) foi realizado no ensino fundamental I (primeiro ao quinto ano) em 25 municípios, desde Barracão, na fronteira com a Argentina, passando por Pato Branco e Francisco Beltrão, chegando até Bituruna, União da Vitória e São Mateus do Sul. Foram 18.225 alunos e 468 professores, somadas as 153 escolas.

Já nos ensinos fundamental II (JEPP) e médio (Despertar), a metodologia foi aplicada em nove escolas, nos municípios de Ampére, Coronel Vivida, Cruz Machado, Cruzeiro do Iguaçu, Marmeleiro, Pato Branco, Realeza, São Jorge D’Oeste e São Mateus do Sul, envolvendo 1.186 estudantes. No total, 19.411 futuros empreendedores participaram das ações desenvolvidas na parceria entre o Sebrae/PR, Secretaria Estadual de Educação, prefeituras municipais e instituições de ensino superior.

O consultor do Sebrae/PR, Elizandro Ferreira, relata que 2018 teve uma série de atividades focadas nos jovens e também nos docentes.

“Tivemos sete oficinas sobre Empreendedorismo e quatro seminários sobre o processo de aprendizagem, que envolveram 120 professores do Fundamental e 90 do Ensino Superior, respectivamente. Realizamos ainda doze formações de multiplicadores do JEPP para 250 professores do Fundamental e quatro seminários sobre Empreendedorismo e Inovação, para 200 acadêmicos”, lista o consultor.

Elizandro destaca que as atividades desenvolvidas em educação empreendedora têm como principal objetivo o fomento da cultura do empreendedorismo.

Fronteira

Em Santo Antonio do Sudoeste, o JEPP foi aplicado por 13 professores junto a 1.489 alunos de 1º ao 5º ano, em 12 escolas. Rosana Marciel, coordenadora pedagógica na Secretaria de Educação do Município, conta que 2018 foi o primeiro ano de aplicação do programa de Educação Empreendedora.

“Como era uma nova experiência, procuramos não criar muitas expectativas. Mas, os resultados foram muito bons. Tivemos professores empenhados e é impressionante como as crianças gostaram das aulas do JEPP, que se tornaram as preferidas delas. Os pais também observaram a motivação nos filhos. O trabalho das crianças durante o ano foi mostrado na Feira do JEPP, que aconteceu junto com a Mostra de Empreendedorismo, em novembro passado”, conta Rosana.

Sudoeste

Em Pato Branco, município que adotou o JEPP no Ensino Fundamental I da rede municipal ainda em 2015, 260 alunos estiveram envolvidos no programa, no ano passado, e desenvolveram habilidades como organização, planejamento, estratégia, criatividade, comunicação, trabalho em equipe e autocontrole financeiro.

“Como resultados tangíveis, podemos citar a qualidade dos eventos de culminância, as Feirinhas. Denotam criatividade, domínio dos conteúdos e desenvolvimento de habilidades, conforme a proposta do Sebrae. Como a Educação apresenta resultados a médio e longo prazo, acreditamos que há aprendizados que as crianças internalizam, em decorrência da participação no JEPP, que estão servindo como possibilidade de desenvolvimento muito maior que o evidenciado nas Feirinhas”, analisa Heloí Aparecida De Carli, secretária de Educação e Cultura de Pato Branco.

Na universidade

A Uniguaçu, de União da Vitória, é uma das instituições de Ensino Superior que firmou parceria com o Sebrae/PR para a Educação Empreendedora. Os 19 cursos da universidade têm ações ligadas ao tema.

“Na Uniguaçu, a Educação Empreendedora é um dos pilares inovadores que envolvem todas as ações institucionais em nível de graduação e pós-graduação, sendo que o tema vai muito além das disciplinas curriculares. Essas ações atingem os acadêmicos direta ou indiretamente, totalizando quase 4.500 acadêmicos e 500 pós-graduandos”, detalha Marta Borges Maia, diretora geral da Uniguaçu.

A diretora diz ainda que todos os 170 professores foram capacitados para ações de empreendedorismo e que a Uniguaçu conta ainda com o Núcleo Integrado de Empreendedorismo e Inovação (Niempi).

“O Sebrae disponibiliza material e capacitação, bem como acompanhamento de ações que geram oportunidades diferenciadas e inovadoras. O enorme resultado alcançado fez com que a Uniguaçu se tornasse parceira efetiva nas ações conjuntas realizadas, acreditando que a inovação e o empreendedorismo são, sim, diferenciais na carreira e na vida dos nossos acadêmicos”, conclui Marta Borges Maia.

0 COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta