Vício em jogos pode ter efeitos emocionais, sociais e até financeiros

O vício pode se desenvolver por games no computador ou celular ou até por jogos de apostas – Fonte: Pixabay
O vício pode se desenvolver por games no computador ou celular ou até por jogos de apostas – Fonte: Pixabay

O vício em jogos pode, muitas vezes, não ser levado tão a sério quanto outros vícios, mas ele é. A OMS (Organização Mundial da Saúde) reconheceu isso ao colocar o vício em jogos na sua lista de doenças – o que leva em conta os aspectos físicos e psicológicos do tempo gasto em excesso com games, principalmente entre os jovens.

As pessoas que sofrem esse tipo de transtorno podem ficar a maior parte do dia envolvidos com games. Um problema maior é que, atrelado ao vício em games, podem se desenvolver problemas psicológicos e emocionais.

No catálogo da OMS, essa doença é chamada de “gaming disorder” – transtorno do jogo. Ela é caracterizada pela perda de controle da prática de jogos eletrônicos. A classificação do vício em games como transtorno abre caminho para a consolidação de medidas de prevenção e tratamento.

Uma característica das pessoas que possuem vício em games é a obrigação que sentem em jogar, o que provoca uma sensação de falta de escolha e perda de liberdade – algo que se assemelha aos casos de dependência química. Os adolescentes, que possuem menor capacidade de senso crítico, são mais vulneráveis à troca do mundo real pelo virtual, o que pode causar problemas sérios à vida social e escolar.

O vício também resulta em problemas físicos. O sedentarismo extremo causado pelo hábito de passar horas sentado em frente ao computador, ou com o celular em mãos, pode gerar problemas de postura, obesidade e falta de preparo físico.

Entre os sintomas que podem indicar vício em games em uma pessoa, estão:

– Perda de interesse por atividades habituais

– Passar tempo excessivo jogando, em detrimento de atividades sociais

– Irritação nos momentos em que não está jogando, o que aponta para abstinência

– Pouco tempo de sono

– Rendimento menor na escola ou no trabalho

– Conflitos com outras pessoas

Dificilmente a pessoa que apresenta os sintomas vai considerá-los um problema. Por isso, quando alguém possui o hábito de jogar, as pessoas próximas precisam ficar atentas aos sinais e, se for necessário, aconselhar a gastar menos tempo com games.

Vício em jogos de apostas

Na internet, estão disponíveis versões online de jogos de cassino, nas quais é possível fazer apostas em dinheiro em atrações como roleta, poker e blackjack. O vício em jogos de apostas também é uma realidade vivida por muitas pessoas. O fato de que recursos financeiros estão em jogo, no entanto, é um fator que agrava o vício e as suas consequências.

Receber a recompensa ao vencer um jogo de apostas gera prazer. A partir daí, a mente conclui que é preciso jogar com mais frequência para reduzir o estresse. Essa é a base de todos os vícios, inclusive do vício em jogos.

O vício em jogos de apostas vai além do vício em games porque pode provocar consequências desastrosas não só para o apostador como para toda a sua família. Isso porque, ao perder uma aposta, o apostador obtém um prejuízo. Em seguida, a tendência é apostar mais na esperança de vencer e, assim, reverter o prejuízo anterior – ou ao menos uma parte dele.

Assim, o apostador vai assumindo uma bola de neve em dívidas. Pode chegar a ser necessário a venda de bens e o comprometimento da renda familiar, arruinando a vida dos familiares.

A seguir, conheça algumas regras para evitar o vício em jogos:

– No caso de adolescentes, os pais precisam limitar o tempo da prática de jogos e acompanhar, com interesse, o conteúdo, conversando com o adolescente sobre o jogo

– No caso de adultos, o próprio jogador precisa estabelecer os seus limites e procurar respeitá-los desde o princípio, pois uma primeira violação a esses limites abre caminho para que eles sejam violados sempre

– Procurar enxergar os jogos apenas como um entretenimento e um meio para aliviar o estresse do dia a dia, respeitando as demais atividades necessárias para uma vida física, social e psicologicamente saudável

– No caso de jogos de apostas, destinar um valor determinado para gastar nos jogos; esse valor precisa ser adequado à renda e ao orçamento pessoal e familiar, da mesma forma que quaisquer outros gastos com lazer

– Na hora de fazer apostas, ficar atento para que os possíveis prejuízos sejam menores que o valor determinado para gastar em jogos

Essas são dicas para evitar que um jogador responsável desenvolva um vício. Porém, no caso de pessoas que já apresentam um quadro de vício, o ideal é contar com ajuda especializada e com o apoio dos amigos e familiares. Tratar a pessoa viciada com compreensão é essencial para que ela supere o vício. Porém, também é preciso o acompanhamento de um especialista. Se você acha que não consegue parar de jogar ou conhece alguém nessa situação, procure um psicólogo ou psicanalista, ou repasse essa dica.

 

0 COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta