Polícia Científica do PR apresenta experiência em conferência internacional

Foto: SESP

Considerado um dos maiores eventos mundiais do setor, a edição 2021 da InterForensics, conferência internacional bianual realizada pela Academia Brasileira de Ciências Forenses, será sediada no Paraná. O encontro acontecerá de 2 a 5 de novembro, com apoio da Polícia Científica do Estado, reunindo palestrantes nacionais e internacionais.

A experiência paranaense será compartilhada no evento nas de perícia humanitária, crimes ambientais, perícias de trânsito e crimes cibernéticos.

“Chegando agora nos 20 anos, completados neste domingo (24), a Polícia Científica do Paraná possui uma base muito sólida de conhecimento que está sendo alimentada por nossos profissionais. Através da ciência, temos alcançado bons resultados e nosso papel na sociedade tornou-se indispensável”, avalia o diretor-geral da Polícia Científica, Luiz Rodrigo Grochocki.

CRIMES AMBIENTAIS

Grochocki destaca a evolução obtida pela instituição em várias áreas, como a Seção de Crimes Ambientais, setorizada desde 2019. Essa divisão do Instituto de Criminalística atua no campo relativo aos crimes envolvendo a fauna, a flora e demais recursos naturais.

“A coleta dos vestígios pela Perícia Ambiental é um fator crucial em diversos casos judiciais, podendo definir se tal ato foi ou não ilegal, além de poder contribuir com a rigidez da pena, ou mesmo com a absolvição do envolvido”, explica o diretor da Polícia Científica.

PERFIS GENÉTICOS

Já quando o caso envolve o material humano, mais especificamente o DNA, a Polícia Científica do Paraná tem se destacado em processos criminais e de investigação por meio do compartilhamento e comparação de perfis genéticos.

O Paraná possui um banco de DNA integrado com laboratórios de todo o Brasil, que dispõe de mais de 110 mil perfis genéticos, sendo 5.582 mapeados pela Polícia Científica do Paraná, desde a criação do banco, de acordo com relatório do Ministério da Justiça, divulgado no último semestre.

Um dos casos mais emblemáticos solucionados pela Polícia Científica paranaense foi o Rachel Genofre, uma menina de 9 anos encontrada morta na rodoviária de Curitiba em novembro de 2008, que teve grande repercussão nacional. O caso só foi elucidado em 2019, quando o assassino de Rachel foi identificado por um exame de DNA. “A integração do banco do Paraná com outros estados permitiu esta solução”, lembra Grochocki.

Só nos primeiros seis meses deste ano, a Rede Integrada de Bancos de Perfis Genéticos (RIBPG) colaborou para a solução de 117 casos. Parte dos perfis genéticos são oriundos do material coletado semanalmente de presos que cometeram crimes hediondos.

A Polícia Científica também promove campanhas de coleta de DNA de pessoas que possuem familiares desaparecidos, para facilitar a localização destas pessoas em qualquer parte do país.

O aprimoramento da estrutura do laboratório de perfis genéticos do Paraná recebeu a maior nota do país, atribuída pelo Ministério da Justiça e da Segurança Pública (MJSP). O resultado garante investimento do governo federal de R$ 790 mil ao laboratório, além do reconhecimento internacional validado pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) e pela RIBPG.

MUSEU

Também faz parte da história da Polícia Científica, o Museu de Ciências Forenses do Paraná, criado em 1970, antes mesmo do estabelecimento oficial unidade no Paraná,.

O material que compõe o museu reúne peças de crimes marcantes e de mortes misteriosas que aconteceram no Paraná e elementos que contam a história da Polícia Científica e do serviço que ela presta.

20 ANOS

Há 20 anos, no dia 24 de outubro de 2001, a Polícia Científica do Paraná surgiu com a união do Instituto de Criminalística (IC) e do Instituto Médico Legal (IML).

A instituição mais antiga é o IML, que funciona desde 1892. O IC surgiu em 1935, com o nome de Laboratório de Polícia Técnica do Paraná. Ambos eram integrados à Polícia Civil até a criação da Polícia Científica, subordinada à Secretaria da Segurança Pública (Sesp).

Verdade, Conhecimento e Justiça são as palavras do brasão oficial da Polícia Científica do Paraná (PCP).

0 COMENTÁRIOS

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse.

Ao prosseguir você concorda com nossos termos de uso.