Dia da Mentira: policia divulga cartilha sobre golpes e armadilhas

·
Atualizado há 3 semanas

A Polícia Civil do Paraná (PCPR) lançou nesta segunda-feira, 1º de abril, popularmente conhecido Dia da Mentira, a cartilha “Não Caia Nessa”, que alerta a população sobre as mentiras que os golpistas contam para enganar e tirar dinheiro da vítima. O material descreve alguns golpes mais clássicos, como o que envolve um “bilhete premiado”, mas dá ênfase às novas armadilhas aplicadas por canais eletrônicos. O objetivo é orientar a população sobre como se proteger.

O documento apresenta uma série de informações sobre variados tipos de ações criminosas e como são aplicadas pelos vigaristas. Além disso, explica o que o cidadão deve fazer caso seja vítima de um golpe.

O delegado titular da Delegacia de Estelionatos da PCPR em Curitiba, Emmanoel David, afirma que a cartilha é uma ferramenta essencial para capacitar a comunidade. “Ao fornecer informações claras e práticas, estamos capacitando as pessoas a protegerem a si mesmas e suas famílias, promovendo um ambiente mais seguro para todos”, diz o delegado. “Com esse material o cidadão pode reconhecer e evitar armadilhas financeiras e criminosas”.

O alerta geral é para sempre desconfiar de ofertas muito boas para serem verdade; manter informações pessoais em sigilo (senhas, números de cartão de crédito ou documentos de identificação); verificar a autenticidade de quem entra em contato, usando fontes confiáveis para checar; e manter computador, smartphone e aplicativos atualizados com as versões mais recentes contra vulnerabilidades de segurança.

EXEMPLOS – Dentro dos crimes clássicos, o Golpe do Bilhete Premiado, que ainda é alvo de operações e investigações, é o mais destacado. Nele a vítima é abordada em via pública por um estelionatário que se passa por pessoa humilde e propõe vender o prêmio por uma fração do valor. Depois, os golpistas convencem a vítima a transferir valores, entregar cartões e outros itens financeiros para o falso vencedor como garantia para o recebimento do prêmio.

Nos golpes eletrônicos, as ações criminosas envolvem, principalmente, as redes sociais, como por exemplo o Golpe dos Nudes. Nesta ação, o criminoso, que muitas vezes finge ser uma jovem mulher, entra em contato com a vítima e após troca de mensagens envia fotos íntimas. Em seguida, um suposto parente ou falsa autoridade policial entra em contato dizendo que a jovem era, na verdade, menor de idade. Os golpistas passam a encaminhar mensagens cobrando valores para que as vítimas não sejam expostas ou acusadas de terem cometido o suposto crime.

Os golpes também envolvem o comércio. No Golpe da Maquininha, o estelionatário vai até o estabelecimento comercial afirmando que precisa realizar a manutenção da máquina de cartão de crédito, porém, no momento da ação, instala um aplicativo para ter acesso aos dados dos consumidores que usarem o equipamento. Em grandes evento também ocorre o Golpe da Troca de Cartão, no qual os estelionatários se camuflam como vendedores ambulantes e no momento em que a vítima vai pagar pela mercadoria adquirida fazem a troca do cartão do consumidor.

Há ainda a armadilha envolvendo um motoboy: a vítima recebe uma ligação telefônica de um falso atendente de banco. Em seguida, na esperança de passar credibilidade, o criminoso passa informações pessoais da vítima como nome completo, telefone e instituição bancária. O falso atendente informa que o cartão foi clonado e, portanto, precisa bloqueá-lo. Para tanto, pede que a vítima digite a senha e corte o cartão ao meio ou aguarde para efetuar a troca do cartão. Posteriormente, um segundo suspeito vai até a casa da vítima e retira o cartão e realiza compras fraudulentas.

A cartilha ainda explica o Golpe da Troca de Foto do WhatsApp, Golpe do Falso Empréstimo, Golpe do Amor, Golpe do Falso Emprego, Golpe do Empréstimo Consignado Golpe do Leilão do Automóvel e uso de links falsos na internet.

VÍTIMA – Caso se veja vítima de qualquer tipo de golpe, imediatamente registre o boletim de ocorrência. No Paraná o BO pode ser feito de forma online, pelo site policiacivil.pr.gov.br/BO, ou na delegacia mais próxima. Guarde todas as provas e prints, o que pode auxiliar as investigação.