Microsoft anuncia a chegada do Project xCloud no Brasil

Fonte: Xbox Brasil via Facebook
Fonte: Xbox Brasil via Facebook

A chegada da nova geração de consoles nunca esteve tão próxima, e os aficcionados pelos games estão eufóricos. Aproveitando a excitação do público, a Microsoft usou mais uma carta do seu baralho e anunciou a chegada do Project xCloud no Brasil. Esse sistema permite aos usuários jogarem os games na nuvem, quando e onde quiserem, e está disponível no país a partir do dia 18 de novembro.

Além do Brasil, outros três países recebem o serviço na mesma data: México, Austrália e Japão. O principal objetivo da Microsoft liberando este programa, que atualmente é intitulado de Project xCloud Preview, é analisar esses quatro novos mercados a partir das opiniões dos usuários, junto aos outros países que já contam com o serviço. Esse período inicial é apenas o primeiro passo da ferramenta aqui no país. A próxima fase, segundo a Microsoft, só terá início em 2021, quando os usuários da nuvem terão acesso ao Xbox Game Pass Ultimate sem nenhum custo adicional.

A gerente geral e chefe de produto do Project xCloud, Catherine Gluckstein, também exaltou a ferramenta em uma publicação no Xbox Wire: “É um passo importante em nossa jornada. Esperamos que os jogos em nuvem tragam novas maneiras de jogar, quando e como quisermos. Jogue com Master Chief de qualquer lugar a partir de seu smartphone, dê algumas voltas em Forza enquanto outra pessoa ocupa a TV da sala ou experimente um novo jogo no Xbox. Você pode fazer isso a partir de seu telefone ou tablet Android”. Se jogos como Gears Of War 5 e Ori and the Will of the Wisps não são do seu gosto, há outras opções no mercado. Você pode se interessar por um game mais emocionante e competitivo como, por exemplo, jogar blackjack em um cassino online. Esse jogo de cartas, tradicionalmente conhecido como 21 aqui no Brasil, é muito fácil e ao mesmo desafiante, pois com alguma prática você consegue melhorar as suas habilidades e vencer os demais jogadores.

 

Estratégias para dominar o mercado

Fonte: Xbox Brasil via Facebook
Fonte: Xbox Brasil via Facebook

A Microsoft está colocando todas as cartas na mesa para tentar liderar o mercado de consoles, com os Xbox Series X/S, e desbancar a Sony. Em 2013, quando lançaram o Xbox One, erraram na estratégia, já que não estavam tentando vender um console, e sim uma central multimídia que podia rodar jogos. Ainda assim, o lançamento de 2013 continha várias restrições, como não poder emprestar os games aos amigos, estar sempre online, e ainda ter o trambolho do Kinect. Então, o console da Microsoft ficou atrás nas vendas do seu principal rival, o PlayStation 4, que foi um completo sucesso para Sony.

Porém, quando Phil Spencer assumiu a liderança da divisão Xbox, iniciou-se um lento trabalho de reestruturação da marca — até que finalmente o console passou a ser visto como uma plataforma voltada para os jogos. E, se inicialmente o videogame era apenas uma central multimídia, no final da geração com o lançamento do Xbox One X, tornou-se o videogame mais potente da época. Além disso, a empresa expandiu sua biblioteca de jogos para outras plataformas, criando um ecossistema integrado com vários serviços, como o Game Pass, o xCloud e o Remote Play, que estão dando uma nova cara à marca.

Com a chegada desta nova geração, a Microsoft sabe exatamente o que quer, e sua estratégia para chegar ao topo está traçada. A empresa está disponibilizando dois consoles para públicos diferentes — o Series S, sem leitor de Blu-ray, menos potente e mais barato, e que será a porta de entrada para o mundo dos games; e o Series X, que conta com leitor de Blu-ray, é mais caro, mas também é mais potente, honrando o legado ao seu antecessor como o videogame mais poderoso da atualidade.

Os grandes trunfos por trás disso são os hardwares presentes no console, como o processador AMD Zen 2, o SSD NVMe, 16GB de memória RAM GDDR 6, junto à placa de vídeo da AMD totalmente baseada em microarquitetura RDNA — e o videogame também entrega o absurdo “poder de fogo” de 12 TFLOPs. Para ter noção da diferença, o Xbox One tinha 1,3 TFLOPs, enquanto o One X apresentava “somente” 6 TFLOPs — esse é um incremento estrondoso que provavelmente pesará na hora de escolher qual console adquirir.

0 COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta