“Confeccionamos autoestima às pacientes com câncer”

Mara Gracinda é voluntária da Rede Feminina em Santa Catarina. Com sua equipe prepara perucas para pacientes com câncer

Mara Gracinda é uma cabeleireira que chama atenção pelo seu alto astral. De imediato, o que nos transmite é que não existe tempo ruim. Ela arregaça as mangas no intuito de ajudar o próximo.

Há 25 anos, Mara é conhecida em Santa Catarina pelo seu trabalho voluntário na Rede Feminina de Combate ao Câncer. Juntamente de sua equipe aprimoram técnicas para entregarem os fios de autoestima. É um grupo de voluntárias que tem feito a diferença na vida de mulheres que lutam contra a doença.

Mara atualmente mora em Itapema (SC) e decidiu expandir o seu trabalho para outras cidades. São perucas direcionadas para os quatro cantos do Estado catarinense e até paranaense, como é o caso do Vale do IguaçuMara descobriu o Projeto Laços de Vida e ofereceu seu trabalho voluntário, doando algumas perucas que ela carinhosamente confeccionou. Dos anos de experiência profissional, cinco deles são dedicados à Rede Feminina de Combate ao Câncer (RFCC), a qual foi denominada como Casa Bebel.

“Desde que eu iniciei o trabalho em Santa Catarina sempre dediquei meus esforços para colaborar com as mulheres que sofriam de Escalpes (queda de cabelo) ou a Alopecia, que é definida como perda de pelos do corpo. Como aqui (Itapema) não foram tão recorrentes estes problemas de saúde, eu optei pelo voluntariado junto a Rede Feminina. São sete anos de atuação com as mulheres em tratamento de câncer. Pense só, é uma responsabilidade gigantesca não acha?”, disse.

Segundo a cabeleireira, a receptividade com o seu trabalho no Vale do Iguaçu foi gigantesca.

Eu me sinto em casa na Casa Bebel. Estive recentemente em União da Vitória e me ligaram solicitando uma peruca para uma paciente. Ela precisava de uma peruca cacheada. Fui correndo até aí. Nossa! A paciente ficou linda. A peruca tinha o perfil dela. As mulheres têm a necessidade de manterem a autoestima quando perdem os cabelos durante o tratamento do câncer”, afirma.

Para ela, além de aumentar a autoestima, a intenção é transmitir alegria à quem tanto precisa.

“Algumas pacientes de câncer em Santa Catarina têm muita dificuldade em adquirir uma peruca, muitas vezes pelo seu custo elevado. O diagnóstico já é uma barra e eu tenho essa bênção nas mãos. Confeccionamos autoestima às pacientes com câncer; Deus me deu esse dom. As unidades de atendimento já demandam tanto amor, carinho e atenção às pacientes e eu devolvo a identidade à elas. É muito prazeroso. Só quem está no voluntariado para saber”.

A equipe de Mara atende 60 unidades da Rede Feminina em Santa Catarina, das que atuam com a capitação de cabelos, entre elas ItapemaJaraguá do SulBlumenauPomerodeIndaialCriciúma, JoaçabaTubarão, BrusqueBalneário CamboriúJoinvilleCampos NovosItajaíLagesRio NegrinhoMafra e o Vale do Iguaçu. Também conta com a parceria de hospitais e instituições filantrópicas.

O trabalho que iniciou com a confecção de 30 perucas ao mês, atualmente tem ultrapassado 100.

“Por meio dos meus 25 anos de prática, conseguimos confeccionar até quatro perucas ao dia, todas feitas com cabelos naturais”.

Cada peruca tem em média 300 gramas de cabelo.


Doações

Para doar os cabelos é preciso levar os fios, já seguros com um elástico, à Rede Feminina de Combate ao Câncer de União da Vitória (Casa Bebel), que fica na rua Cel. João Gualberto, nº 300, no centro de União da Vitória. São aceitas doações a partir de dez centímetros e, em caso de dúvida, basta ligar para o telefone (42) 9 8844-5537.

A paciente interessada em utilizar uma das perucas pode se dirigir até a Rede Feminina. Após a devolução da peruca, ela é higienizada e fornecida para uma próxima paciente.

0 COMENTÁRIOS

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse.

Ao prosseguir você concorda com nossos termos de uso.