Falta de separação antecipa fim dos aterros sanitários

De toda a produção de lixo nas Cidades Irmãs, apenas pequena parte é reciclada. Maioria dos resíduos poderia ter destino diferente

Por Mariana Honesko

Aterro 01
Quase 600 toneladas de lixo por mês vão para o Aterro Sanitário de Porto União (Fotos Mariana Honesko/Jornal O Comércio)

É uma montanha de lixo. Uma montanha que cheira mal e que está cercada por materiais passíveis de um final feliz e bem menos sujo. Os números confirmam o despreparo do que é feito em casa: União da Vitória recicla apenas 2% do que é coletado. De toda a produção que vai para o aterro, pelo menos 200 toneladas por mês poderiam ser recicladas. Por lá, além de ocuparem o espaço do popular “rejeito”, confundem-se e perdem-se no tempo.

Os efeitos da falta de separação afetam, inclusive, os cofres públicos. De acordo com o coordenador do projeto Ecocidade, a nova vala inaugurada no município em outubro custou R$ 190 mil. “Para uma vida útil de apenas seis meses”, aponta Sidnei Cieslak. “Se tirássemos essa quantidade que poderia ser reciclada, a vida útil seria maior e os gastos bem menores”, completa.

Aterro - 05
Giovania Letícia de Lara

Em Porto União, a situação não é diferente. O aterro, inaugurado em 2003 na comunidade do Legru, está em sua quarta ampliação. O local recebe todo mês 570 toneladas. Uma breve visita ao endereço causa espanto: mochilas, brinquedos, colchões e uma infinidade de potes e garrafas plásticas, amontoam-se entre as sacolinhas. O volume, menor que União da Vitória, onde a produção chega às 820 toneladas mensais, é fruto da coleta seletiva. No município, o sistema é mantido pela Ecovale e cobre todos os bairros. Mesmo assim, por descuido ou desconhecimento, boa parte do lixo que poderia ser reciclado ainda vai parar no aterro. “Hoje é assim: no chão é lixo que pode ser reciclado e no alto é orgânico”, lembra a assistente administrativa da Ecovale, Giovania Letícia de Lara, referindo-se ao modelo sugerido aos moradores como incentivo à separação.

O acúmulo de lixo, que compromete à vida útil dos aterros e causa um enorme desconforto ao meio ambiente – alguns materiais demoram séculos para entrar em decomposição – custam caro e inquietam ambientalistas. Pela legislação, até o próximo ano os lixões precisam ser transformados em aterros sanitários. “Em virtude disso, tem que aumentar o prazo de vida útil dos aterros e isso só vai acontecer quando as pessoas separarem o que realmente pode ser reutilizado”, avalia o estudante do curso de Meio Ambiente do Colégio Túlio de França, Osni Schroh. “Fazendo isso, vamos manter o aterro só para aquilo que não tem solução”, defende. Ao mesmo tempo em que a preocupação pela falta de separação cresce, a produção em massa segue linhas desordenadas. Em média, o brasileiro produz até 1,5 quilo por dia.

Aterro 02
Maioria do que vai para o aterro poderia ser reciclado: papeis e garrafas lideram o volume

O destino correto do lixo mobiliza outras frentes. Nas Cidades Irmãs, as cooperativas de catadores começam a trilhar novos caminhos. Em União da Vitória o segmento está na fase preparatória, mas já apresenta uma cooperativa legalizada e com endereço. Ela reúne os trabalhadores no antigo Terminal de Calcário, no Bairro São Sebastião. Por estar em São Cristóvão, as ações de mobilização ocorrem especialmente ali. “Nós vamos lançar o projeto da coleta seletiva a partir de fevereiro do ano que vem e, em janeiro, haverá reuniões para discutir o tema”, lembra Cieslak. A proposta segue em quatro eixos. “Fomentação da cooperativa, criação do centro de triagem, coleta seletiva e educação ambiental”, lembra o coordenador.

Comportamento

A Ecolave, que explora o serviço de coleta do lixo desde 1999 nas Cidades Irmãs, esbarra nas atitudes de alguns moradores. É o caso, por exemplo, de quem abusa dos horários de coleta. Normalmente, o caminhão de coleta passa à noite nas regiões mais centrais. “Antes das 7 horas da manhã passamos de novo, para dar uma ultima olhada, mas pouco tempo depois já tem lixo sendo colocado nas lixeiras”, comenta Giovania.

Além do aspecto visual prejudicado, o lixo na lixeira, o dia todo, é sinônimo de mau cheiro e de destino incerto: catadores informais podem abrir as sacolas ou, em outros casos, elas são rasgadas por animais. O comportamento é comum, inclusive, no centro. “Tem gente que joga restos de comida nestas lixeiras, mas a obrigação dos nossos funcionários é de recolher outro tipo de lixo. Eles recolhem papeis do chão, folhas”, lembra. Em casos mais singulares há até furto dos sacos plásticos, o que limita a ação de limpeza dos trabalhadores.

Lixo hospitalar

Segundo a Ecovale, quando o serviço de coleta do lixo hospitalar era mantido pela prefeitura – e, portanto, ela pagava a despesa – cerca de 300 nomes, entre eles clínicas, hospitais, farmácias e consultórios, apareciam na lista para atendimento. O modelo mudou e hoje o pagamento é particular. “Nossa lista ficou bem menor. O número é menos da metade”, aponta a assistente.

A empresa não tem como checar o destino clandestino, mas aposta que ele existe. Parte do lixo contaminado pode estar indo para os aterros, de maneira clandestina, ou, em ações ousadas, sendo misturado ao lixo das entidades que pagam pelo serviço.

Aterro 04
Aterro de Porto União foi inaugurado em 2003 e já está em sua quarta ampliação

União da Vitória – Colônia Papuã

Porto União – Legru

6 COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

  • Maria inez B. Ferreira - 23 de novembro de 2013 - 14h 59
    Façam uma lei obrigando separar o lixo , pois as coisas só mudam se mexer no bolso !
    Responder
  • Fabiano - 24 de novembro de 2013 - 01h 36
    Com o fim do recolhimento de entulho pela prefeitura, com certeza isso tende a piorar, pois, com pequenas quantidades de materiais de entulho a população não contratará as caçambas e sim "diluirá" seu entulho no lixo comum, aumentando consideravelmente o volume, mas a Prefeitura acha que está certa transferir o problema para os moradores...
    Responder
  • soli - 24 de novembro de 2013 - 21h 49
    Mas a casos também,como aqui no bairro onde moro,em que a empresa esquece de coletar o material reciclável no dia correto,normalmente a desculpa é de que o caminhão quebrou,ou irão passar mais tarde,o que nunca acontece.nem sempre a população é a culpada.
    Responder
  • Jose Carlos - 25 de novembro de 2013 - 06h 57
    aki nos sempre separamos o lixo mas ninguem recolhe, é uma pena, deviam incentivar as crianças nas escolar aprender a reciclar o lixo
    Responder
  • Everton Fabion de Souza - 25 de novembro de 2013 - 10h 27
    Bom existe a a minha preocupação em separar o lixo orgânico do reciclável mais no bairro onde eu moro não existe a coleta seletiva, todo o lixo separado e recolhido pelo mesmo caminhão.
    Responder
  • dirceu - 26 de novembro de 2013 - 06h 53
    tantas pessoas jogando lixo nos terrenos abandonados que da ate nojo deste tipo de gente, sem educação não adianta para alguns litros, sacos plasticos restos de construção blocos de cimento, telhas calhas tudo que se imagina, na bento proximo da apae de uniao tambem tem pessoas que fazem a reciclagem tem que ter um pouco mais de organizaçao e limpeza esta começando a ter mau cheiro ali alguem tem que tomar providençia urgente
    Responder

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse.

Ao prosseguir você concorda com nossos termos de uso.