“Não se trata de uma campanha; é uma ação permanente”

Consumidores de Porto União podem fazer descarte correto de lâmpadas usadas

Muitos sabem que o descarte incorreto de lâmpadas usadas pelos consumidores implica em problemas ao meio ambiente e à saúde humana. Pensando nisso e atendendo uma reivindicação antiga dos moradores de Porto União, a equipe da Secretaria de Desenvolvimento EconômicoSustentável e Meio Ambiente instalou um ponto para recolhimento gratuito das lâmpadas no município.

De acordo com o secretário da pasta, Carlos Santos, também responsável pela Casa do Empreendedor, a coleta e a destinação ambientalmente correta desses itens cumpre determinação legal e integra a matriz de Política Nacional de Resíduos Sólidos, conforme a Lei 12.305/2010.

“Não se trata de uma campanha; é uma ação permanente”, acrescenta.

Conta ele, que foi estabelecida uma parceria com a administração de Porto União e que foi mediada com a gestora da Logística Reversa de Lâmpadas do Brasil e um comerciante local. Sendo assim, explica Carlos, a empresa MD Grazziotin Materiais Elétricos Ltda. firmou o acordo com a Associação Brasileira para Gestão da Logística Reversa de Produtos de Iluminação (Reciclus), para a coleta de lâmpadas fluorescentes de vapor de sódio e mercúrio e de luz mista.

“As lâmpadas de LED ainda não fazem parte da iniciativa, mas sim, as de sódio e mercúrio. O serviço está disponível desde 29 de outubro, de maneira gratuita, podendo receber, de momento, até cinco unidades por munícipe. Como há muito tempo não acontece este recolhimento, a demanda está sendo grande, por isso acontece a limitação de itens”, diz.

Carlos explica que a Reciclus é uma associação sem fins lucrativos, criada pelo Acordo Setorial de Lâmpadas Fluorescentes de Vapor de Sódio e Mercúrio e de Luz Mista, assinado em 2014 e tendo como signatários o Ministério do Meio Ambiente (MMA), a Confederação Nacional do Comércio de BensServiços e Turismo (CNC) e os importadores de lâmpadas fluorescentes (Abilumi e Abilux).

Vale lembrar que o metal é considerado altamente tóxico e ocasiona poluição ao meio ambiente, afetando diretamente água, ar e solo, com implicações na saúde humana. Ao ingerir ou inspirar o metal, a pessoa pode desenvolver toxidade nos rins, sistema nervoso e sistema cardiovascular.

Segundo a Reciclus, foram recolhidas, até 2018, em torno de 2,7 milhões de lâmpadas, o que equivale a 4,6% da meta de recolhimento de 60 milhões de lâmpadas (20% das lâmpadas colocadas no mercado nacional em 2012) até 2021.

Carlos Santos, responsável pela Casa do Empreendedor de Porto União e Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Sustentável e Meio Ambiente

No Paraná

Mais de um milhão de lâmpadas fluorescentes que estão armazenadas nas prefeituras paranaenses serão recolhidas para destinação correta após o uso. A iniciativa do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, prevê prazo de 180 dias para a coleta.

Um Termo de Compromisso assinado com o Ministério Público do Paraná estabeleceu que a Reciclus apresente um cronograma de coleta e destinação correta para todo o material.

No segundo semestre de 2019, a secretaria estadual enviou ofício às prefeituras dos 399 municípios para que informassem a quantidade armazenada. De acordo com os números apresentados pelos municípios, são 1.176.772 lâmpadas.


Serviço

O ponto de entrega fica localizado na loja MD Grazziotin Materiais Elétricos, na rua Matos Costa, n° 515, em Porto União. Demais informações pelo telefone (42) 3523-1155.

0 COMENTÁRIOS

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse.

Ao prosseguir você concorda com nossos termos de uso.