Sobre

Nasci em União da Vitória (PR), no dia 16 de junho de 1.940. Sou casado com a professora Aldair Wengerkiewicz Muncinelli. Pai do Gianfranco (Engenheiro Eletricista) e do Giorgio (Advogado). Avô do Enzo Luigi, do Cicero Domenico, do Pietro e da Sarah.

Aprendi as primeiras letras na Escola Isolada, com o professor José Fredolino Mayer, na localidade de Porto Almeida (PR). Realizei os dois primeiros anos do curso primário no Grupo Escolar de Porto Vitória (PR) e os dois últimos anos no Externato Santa Terezinha de União da Vitória (PR), hoje extinto. Realizei o curso ginasial no Ginásio São José, de Porto União (SC). Realizei os dois primeiros anos do curso científico no Colégio Estadual “Túlio de França”, de União da Vitória (PR), e, o último ano, no Colégio Estadual do Paraná, em Curitiba (PR). Ainda realizei o curso de técnico em contabilidade na Escola Técnica de Comércio “De Plácido e Silva”, em Curitiba (PR), sendo o Orador da Turma Professor José Minini Neto. Sou advogado, graduadoem Ciências Jurídicase Sociais na Faculdade de Direito da Universidade Federal do Paraná, há mais de quarenta e sete anos, ininterruptos e ainda em pleno exercício profissional.

Fui o idealizador e um dos fundadores do Centro de Letras “Dídio Augusto” (1965), hoje desativado. Sou acadêmico e fundador da Academia de Letras do Vale do Iguaçu (2000). Participei das coletâneas “Antologia do Vale do Iguaçu I” (1976) e da “Antologia do Vale do Iguaçu II” (2010). Publiquei o livreto “Apontamentos Históricos das Comarcas de União da Vitória – PR e de Porto União – SC” (com três edições 1979, 1982, 1991), o livro “Eles Já Foram” (1990) e o livreto “Clube Concórdia – Breves Apontamentos Históricos” (1992). No ano do Centenário da Comarca de União da Vitória, uma das mais antigas do Paraná, escrevi a crônica “A Comarca de União da Vitória – Breves Apontamentos Históricos” (2008), publicada no sitio do Tribunal de Justiça do Paraná, no Jornal O Iguassú e na Revista da Academia de Letras do Vale do Iguaçu, e, escrevi ainda a frase vencedora – “A nossa história faz pleno sentido, hoje, quando a Comarca de União da Vitória alcança cem anos de correta distribuição do direito e da justiça alavancada pela retidão e pela dignidade dos seus membros, homens e mulheres” (2008), publicada no Jornal O Comércio e registrada numa placa que se encontra colocada no Corredor de Entrada do Fórum Desembargador Francisco de Paula Xavier Filho. Ainda publiquei poesias, crônicas, prefácios, apresentações e discursos que se encontram em livros, jornais e revistas de União da Vitória e Porto União. E tenho a publicar os livros “Tropeiros, Tropas e Tropeadas: Meu Pai, O Velho Tropeiro”, “Pequenas Biografias”, “Meus Versos”, “Eles Continuam Indo” e “Eles Não Param de Ir”.

Enfim, já escrevi para os jornais A Folha (extinto) e Caiçara, para as revistas Perfil e Cênica. E, desde 23 de maio de 1970, sou assíduo colaborador do Jornal O Comércio, onde assinei durante 7 anos ininterruptos a Coluna “Lex – Notas e Comentários” (com assuntos jurídicos) e hoje assino a Coluna “Milho no Monjolo”, anotando os atos e os fatos da História Local e Regional, escrevendo pequenas biografias dos nossos escritores e das nossas personagens ilustres, artigos, crônicas e notícias sobre a história, a cultura e a educação, et caetera.

Pois é, minha gente, concluindo, eu digo e repito, com muito orgulho, que sou um legítimo caboclo nascido e criado na Beira do Iguaçu.